logo AzMina

Cinco coisas que mães por adoção tardia gostariam que você soubesse

Você já parou pra pensar que nem sempre a maternidade começa com um bebê?

Rachel, Ciça, Helen e Cris são quatro mulheres que se tornaram mães por meio da adoção tardia. Isso quer dizer que quando essas crianças e adolescentes chegaram em casa, eles já sabiam andar, falar e comer sozinhos. Mas essa diferença em relação a outros inícios de maternidade não elimina da vida dessas mulheres o looping de sentimentos e transformações marcados pelo puerpério. Aliás, você sabia que mães por adoção também passam por esse período? 

A advogada Rachel Garcia é mãe de dois meninos, de 9 e 13 anos, e contou para AzMina o que ouviu ao tentar desabafar sobre as dúvidas e medos que sentia, quando viu seus filhos pela primeira vez. O fato da adoção ser uma escolha, frequentemente faz com que as pessoas desvalorizem qualquer sensação de desconforto ou dor durante esse processo, deixando essas mulheres ainda mais sozinhas. “Não é porque eu escolhi que dói menos”. 

Junto com outras três mães, ela participou do nosso programa “Mas vocês veem gênero em tudo?” no Youtube e contou cinco coisas que mães por adoção tardia gostariam que você soubesse. As experiências são diversas e as histórias também, mas elas sempre se encontram em algum lugar. Assista

Leia mais: Entrega legal: uma lei que não foi pensada para as mulheres

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA