logo AzMina

AzMina debate violência contra a mulher no Congresso

Evento na Câmara dos Deputados apresentou soluções inovadoras para enfrentar situações abusivas e feminicídio, entre eles o PenhaS
por Equipe AzMina
11 de julho de 2019
Marilia Taufic, d’AzMina, em seminário na Câmara dos Deputados (Foto: Michel Jesus/Câmara dos Deputados)

A Comissão de Defesa dos Direitos da Mulher da Câmara dos Deputados promoveu, no fim de junho, um seminário sobre as novas tecnologias no combate à violência contra a mulher e as famílias. Foram apresentadas soluções desenvolvidas com tecnologia de ponta, entre eles o aplicativo PenhaS, uma iniciativa da Revista AzMina.

Tecnologia é parte fundamental do enfrentamento da violência de gênero no país, onde 1,6 milhão de mulheres foram espancadas ou sofreram tentativa de estrangulamento entre fevereiro de 2018 e fevereiro de 2019, enquanto 22 milhões (37%) de brasileiras passaram por algum tipo de assédio, segundo o Datafolha.

AzMina têm buscado levar o debate sobre as questões de gênero para lugares em que ele ainda é escasso ou ainda às vezes é feito de forma conservadora, como o Congresso, espaço de poder formado ainda majoritariamente por homens. Por isso, a equipe d’AzMina tem se proposto a falar para além da bolha feminista e progressista, como programas de televisão e canais do Youtube com um público diferente da revista.

Leia mais: AzMina foi parar no Congresso: vimos desdém e apoio, mas fomos ouvidas

O app PenhaS foi assim batizado em homenagem a Maria da Penha, cidadã brasileira que quase morreu vítima da violência doméstica e inspirou a criação da lei homônima em 2006. “É um aplicativo de conscientização coletiva, compartilhamento de informações, empoderamento da mulher e construção de uma rede de apoio desenvolvido com base em horas de conversas com vítimas dos mais diversos tipos de violência”, explicou a jornalista Marília Taufic, coordenadora voluntária da Revista AzMina, responsável pela iniciativa.

O app é dividido em três áreas: GritaPenha, para pedidos de ajuda urgente e produção de provas; DefendePenha, chat de apoio que permite o diálogo entre as usuárias; e EmpoderaPenha, espaço de conhecimento, com informações básicas sobre direitos  e um feed de notícias sobre a violência. “Dar visibilidade ao tema é uma das formas de enfrentamento do problema”, disse Marília, durante a apresentação da ferramenta.

O encontro ainda serviu de palco para o lançamento do projeto Glória, uma plataforma de inteligência artificial criada para educar e dar apoio às mulheres com o objetivo de reduzir a opressão e a violência física, psicológica e sexual contra as mulheres. A coleta de dados feita pela interação entre o robô Glória e as usuárias servirá para desenvolver conteúdo educacional e criar uma rede de suporte com as ferramentas necessárias para mulheres em situação de vulnerabilidade e repressão.

A idealizadora do projeto, a professora universitária Cristina Castro Lucas de Souza, contou que a iniciativa prevê, ainda, a geração de relatórios que possibilitam o mapeamento das ocorrências, com classificação dos dados a partir de faixa etária, local e dados socioeconômicos das vítimas.

Do ponto de vista das iniciativas públicas, foi apresentado detalhes do Simesp (Sistema Nacional de Informações de Segurança Pública), que atua em várias frentes: desde a integração de dados das Polícias Civis de nove estados brasileiros – com a possibilidade de traçar um mapa dos delitos, incluindo feminicídio, e os perfis das vítimas – até o uso de inteligência artificial para rastreabilidade de armas e munições de material genético, de digitais e de drogas e mapeamento dos crimes.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina