logo AzMina

Ponto H: por que o prazer do homem ainda é uma preocupação para a mulher?

As cirurgias íntimas não têm limites quando o objetivo é usar o corpo feminino para satisfazer os desejos masculinos

Se você tem o costume de olhar as redes sociais, provavelmente já viu em seu feed alguém falando sobre as supostas vantagens do Ponto H, nome dado para uma cirurgia íntima na qual se injeta, geralmente, ácido hialurônico na parede do canal vaginal a fim de criar mais rugosidade na vagina e, com isso, fazer com que o homem sinta mais prazer na relação sexual. É isso mesmo, você não leu errado! A única função do Ponto H é dar mais prazer para o homem, só isso.  

Quem tem vulva sabe que a pressão estética para se adequar a um suposto corpo ideal não é novidade. A diferença é que agora as cirurgias íntimas parecem não ter limite quando o objetivo é satisfazer os desejos masculinos. Além disso, esses procedimentos estão mais acessíveis e, portanto, atraindo mais as mulheres brasileiras.

Uma pesquisa feita pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética mostrou que o Brasil é líder mundial em realização de ninfoplastia – uma cirurgia em que consiste na retirada de pele dos pequenos lábios da vulva. Só em 2019, foram mais de 30 mil procedimentos desse tipo.

Não há problema em querer modificar seu corpo por meio de intervenção estética. Mas será que alterar a aparência da vulva ou deixar a vagina mais atraente para os homens vai resolver a autoestima de toda mulher? É isso que a gente discute no “Mas Vocês Veem Gênero em Tudo”. Assista!

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.  

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso. 

FAÇA PARTE AGORA