logo AzMina

Ponto H: por que o prazer do homem ainda é uma preocupação para a mulher?

As cirurgias íntimas não têm limites quando o objetivo é usar o corpo feminino para satisfazer os desejos masculinos

Se você tem o costume de olhar as redes sociais, provavelmente já viu em seu feed alguém falando sobre as supostas vantagens do Ponto H, nome dado para uma cirurgia íntima na qual se injeta, geralmente, ácido hialurônico na parede do canal vaginal a fim de criar mais rugosidade na vagina e, com isso, fazer com que o homem sinta mais prazer na relação sexual. É isso mesmo, você não leu errado! A única função do Ponto H é dar mais prazer para o homem, só isso.  

Quem tem vulva sabe que a pressão estética para se adequar a um suposto corpo ideal não é novidade. A diferença é que agora as cirurgias íntimas parecem não ter limite quando o objetivo é satisfazer os desejos masculinos. Além disso, esses procedimentos estão mais acessíveis e, portanto, atraindo mais as mulheres brasileiras.

Uma pesquisa feita pela Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética mostrou que o Brasil é líder mundial em realização de ninfoplastia – uma cirurgia em que consiste na retirada de pele dos pequenos lábios da vulva. Só em 2019, foram mais de 30 mil procedimentos desse tipo.

Não há problema em querer modificar seu corpo por meio de intervenção estética. Mas será que alterar a aparência da vulva ou deixar a vagina mais atraente para os homens vai resolver a autoestima de toda mulher? É isso que a gente discute no “Mas Vocês Veem Gênero em Tudo”. Assista!

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!