logo AzMina

Os comentários que as mães não aguentam mais ouvir sobre pensão

Nesse Dia das Mães, além de dar “parabéns”, que tal tentar entender o lado delas e sermos mais empáticos?

No Brasil, 11,6 milhões de famílias são chefiadas por mulheres, segundo o IBGE. Some a essa informação o dado de que ao menos 100 mil processos de pensão alimentícia tramitam no país. E que 56,9% das famílias comandadas por mulheres com filhos vivem abaixo da linha da pobreza.

São números que juntos dão uma dimensão da complexa situação que as mães solo vivem no país. Entre as muitas dificuldades que a criação dos filhos envolve, pagar as contas é uma das maiores e a pensão existe exatamente para dividir essa tarefa com o genitor.

Apesar de ser algo previsto na lei, as mães ainda sofrem para ter acesso a esse direito de seus filhos. E, mesmo quando a pensão cai todo mês na conta, ainda precisam lidar com comentários e pressão vindos do pai, de amigos e da família.

Às vezes, mesmo cheias de boas intenções, essas falas fazem mais mal do que bem. Então, para ajudar todo mundo a ser mais legal com as mães solos, levantamos os comentários que elas estão mais cansadas de ouvir e a Thaiz Leão, criadora da página A Mãe Solo, desenhou as respostas a esses comentários, explicando porque não são legais.


Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!