logo AzMina

Os comentários que as mães não aguentam mais ouvir sobre pensão

Nesse Dia das Mães, além de dar “parabéns”, que tal tentar entender o lado delas e sermos mais empáticos?
por Thaiz Leão
9 de maio de 2019

No Brasil, 11,6 milhões de famílias são chefiadas por mulheres, segundo o IBGE. Some a essa informação o dado de que ao menos 100 mil processos de pensão alimentícia tramitam no país. E que 56,9% das famílias comandadas por mulheres com filhos vivem abaixo da linha da pobreza.

São números que juntos dão uma dimensão da complexa situação que as mães solo vivem no país. Entre as muitas dificuldades que a criação dos filhos envolve, pagar as contas é uma das maiores e a pensão existe exatamente para dividir essa tarefa com o genitor.

Apesar de ser algo previsto na lei, as mães ainda sofrem para ter acesso a esse direito de seus filhos. E, mesmo quando a pensão cai todo mês na conta, ainda precisam lidar com comentários e pressão vindos do pai, de amigos e da família.

Às vezes, mesmo cheias de boas intenções, essas falas fazem mais mal do que bem. Então, para ajudar todo mundo a ser mais legal com as mães solos, levantamos os comentários que elas estão mais cansadas de ouvir e a Thaiz Leão, criadora da página A Mãe Solo, desenhou as respostas a esses comentários, explicando porque não são legais.


Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher