logo AzMina

Lançamento do livro “Se Eu Fosse Puta” é hoje, em São Paulo

Colunista d'AzMina fala sobre transição, feminismo e experiência na prostituição em nova obra

Hoje a Livraria Cultura da Paulista recebe o lançamento do livro “Se Eu Fosse Puta” de Amara Moira, travesti doutoranda e também colunista d’AzMina. O livro contém relatos sobre a sua experiência de transição de gênero e, depois, como profissional do sexo.

Amara optou pela prostituição desde que transicionou, e registrou em um blog, que leva o mesmo nome do livro, as novas experiências. Sem nunca abandonar a academia, Amara estudou Letras e hoje é doutoranda em Teoria Literária, pela Unicamp. A narrativa constrói a história de Amara como mulher, além de trazer o lugar de fala das trans prostitutas e também a importância da luta pela visibilidade das prostitutas no Brasil. Sem se colocar contra a prostituição, ela se coloca na batalha por melhores condições de trabalho e remuneração para as profissionais do sexo, e também procura quebrar o estigma criado em volta da profissão.

O evento contará com um bate papo “putafeminista” com Monique Prada e a também travesti Indianara Alves Siqueira, ambas ativistas das profissionais do sexo e autoras dos pré e pósfacio do livro; a conversa será mediada por Clara Averbuck, escritora feminista e dona do blog “Lugar de Mulher”. O evento contará também com a presença da cartunista Laerte, que tem sua participação no livro com as tirinhas da Muriel com o tema “E se eu fosse?”, além da presença musical da Mc Linn da Quebrada, no começo e no final do evento, e das drags Jaqueline Ramirez e Kiô Morgana Ramirez na recepção da livraria.

Tudo isso – enlouquecendo o patriarcado – às 18 horas dessa terça-feira. A livraria fica na Avenida Paulista, no número 2073.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!