logo AzMina

Futurar: mulheres negras e meio ambiente

Está no ar o primeiro episódio do podcast Futurar, uma série que vai conjugar o verbo futuro junto a mulheres negras

Está no ar o primeiro episódio do podcast Futurar, uma parceria Revista AzMina e Conversa de Portão (Nós, Mulheres da Periferia). A série de três episódios discute como, em meio aos desafios trazidos pela pandemia e àqueles que já existiam, as mulheres negras seguem imaginando e criando futuros possíveis no meio ambiente, economia do cuidado e tecnologia.

Pra entender o futuro da questão ambiental aqui no Brasil, recorremos ao conceito do afrofuturismo e conversamos, no primeiro episódio, com três mulheres que estão à frente do assunto: Donana, griot do primeiro quilombo do Brasil, localizado na Bahia; Marcela Bonfim, idealizadora do projeto @amazonianegra, e Sônia Ara Mirim, das terras indígenas do Jaraguá, em São Paulo. Elas nos mostraram como a preservação dos territórios tradicionais pode ser um caminho para imaginar pretos vivos no futuro.

Os próximos episódios, sobre economia do cuidado e tecnologia, vão ar nas próximas terças-feiras (dias 13 e 20 de julho). A série Futurar será encerrada com uma reportagem especial com conteúdos extras da apuração.

Esse projeto é parte de Narremos a Utopia, uma iniciativa de Puentes para imaginar um futuro feminista, interseccional e inspirador.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA