logo AzMina

Empoderamento x objetificação: dá para separar o moralismo dos efeitos do patriarcado?

Discussão parece nova, mas relembra as Guerras Sexuais, que dividiu o movimento entre as antipornô e sex-positive

Luísa Sonza, Anitta, Britney Spears e Nicki Minaj são algumas entre as muitas artistas que não podem sensualizar sem ouvir uma problematização. Mas a treta sobre isso ser legal ou só uma forma de servir aos desejos masculinos não é de agora. 

Nos anos 80, parte do movimento feminista nos Estados Unidos se dividiu entre antipornô e sex-positive. De um lado, as primeiras queriam o fim da hipersexualização, do outro, mulheres entendiam que essa era uma forma de “censurar” a sexualidade feminina. 

Pois é, a discussão é antiga e traz muito mais camadas do que uma treta de tweet é capaz de comportar. Por isso, a gente mergulhou no assunto, voltou aos anos 80 e gravou um vídeo para te contar o que rolou naquela época. Esse é o assunto do “Mas vocês veem gênero em tudo?” desta semana. 

Depois do play, você vai entender o que tinha de diferente em cada linha de pensamento, quais eram as principais reivindicações de cada grupo e como esse debate tem influência nos dias de hoje. Assista!

Ah, aproveita e também se inscreva no canal, ativa o sininho e fica de olho, porque tem vídeos novos toda terça e quinta (quando dá). Assista!

Leia mais: Feministas negras brasileiras que você precisa conhecer – AzMina

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA