logo AzMina

Assédio: saiba o que é, como identificar e o que fazer

Muitas vezes, ficamos confusas e nos sentimos culpadas. Mas é importante saber reconhecer o assédio e entender que a culpa nunca é da vítima

Historicamente nós mulheres somos educadas desde pequenas a acatar ordens e a sempre dizer “sim”. Com isso, muitas situações incômodas acabaram ficando naturalizadas e temos dificuldade em nos posicionar. Mas precisamos mudar isso e levar muito a sério tudo o que nos incomoda. Comentários chatos, paqueras indesejadas na rua, aproximação, toque ou beijo forçado, tudo isso é assédio!

“O problema é que é bem comum meninas e mulheres sofrerem assédio e nem conseguirem identificar o que viveram, justamente por não nos acharmos no direito de se sentir incomodadas com aquela situação”, explica a advogada Mariana Serrano, da Rede Feminista de Juristas (deFEMde).

Ela lembra que acontece também de nos sentirmos culpada, tendo pensamentos como: “Eu não deveria estar ali”, “Não era pra usar aquela roupa”, “Eu devia ter recusado o convite”. Mas é essencial saber: se algo foi feito sem sua permissão, a culpa nunca é sua! 

Precisamos dar atenção ao incômodo que sentimos e, mais importante ainda, saber reconhecer o assédio e o que fazer quando acontece com a gente ou com alguma amiga nossa. 

 O que é assédio?

Você conhece a origem da palavra assédio? Ela vem de operações militares onde o plano era cercar um território para dominar o lugar e as pessoas. Uma tática de cercar para reprimir e exercer poder. 

Leia mais: 11 coisas que você precisa saber antes da primeira transa

Não é à toa que essa palavra é usada para definir as situações em que nos sentimos cercadas, provocando medo e insegurança. O assédio pode acontecer de muitas formas: com palavras, olhares, contatos físicos e até pela internet! Em todas essas formas, ele viola a liberdade e acaba afetando nossa autoestima. 

O problema é que, exatamente por poder acontecer de tantas formas diferentes, é difícil identificar o assédio. Mas isso é muito importante para poder buscar ajuda e até denunciar o assediador. 

Se você está na dúvida se algo que viveu foi ou não assédio, a imagem abaixo ajuda a entender. 

Este conteúdo foi produzido em parceria com a campanha Ela Decide.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!