logo AzMina

5 mulheres gordas que amamos seguir

Nos palcos, Facebook, Instagram, blogs e no YouTube, essas minas falam de dança, auto-estima, feminismo, gordofobia, moda e um tanto mais.

No Youtube

Após superar uma juventude de baixa auto estima, Luiza Junqueira decidiu criar um canal no YouTube para inspirar pessoas a se amarem do jeito que são. No canal Tá Querida! ela fala sobre auto-imagem, viagens, ensina a fazer receitas delícia e até dá dicas pra pintar o cabelo em casa. Luiza é também autora e produtora do curta-metragem GORDA, que aborda a relação de três mulheres gordas com seus corpos com muita sensibilidade e delicadeza.

No Facebook

Foto: Acervo pessoal

Fabrina Martinez, jornalista e autora do Gorda Esporte Clube (Facebook e Instagram: @gordaesporteclube) narra sua experiência como “uma pessoa gorda que pratica esportes porque quer, porque deseja, porque pode, e não pela obrigatoriedade do emagrecimento”. E acrescenta: “o Gorda Esporte Clube é uma narrativa contra o machismo e a gordofobia nos espaços esportivos, além de uma tímida tentativa de canal no Youtube”.

No Instagram


Joyce Fernandes, 32 anos, é conhecida como Preta-Rara. É rapper, turbanista, professora de história, modelo Plus Size, poetisa e criadora da #EuEmpregadaDoméstica. No Instagram, ela posta seus poemas, reflexões, provocações políticas e feministas e fotos suas sendo diva e empoderada.

Nas Ruas

Me Gusta é um grupo de dança  de São Paulo que tem o objetivo de estimular a autoestima e o empoderamento de outras mulheres por meio da dança. “Já sentimos o impacto que o Me Gusta transmite em muitas mulheres, gordas ou magras, cis ou trans, recebemos mensagens de apoio constantemente, relatando suas histórias e como o Grupo Me Gusta as incentivam a se amarem como são, sem limites – esta é a nossa missão: fortalecer a auto-estima e amor próprio das mulheres do mundo e, para isso, usamos o que sabemos fazer: dançar!”, conta Jessica Chamma, uma das fundadoras do grupo.

Junto com Joyce Cavichio, Luana Nazareth e Natalia Haidamus ela usa a dança como ferramenta para derrubar preconceito, tabus e “a incessante ignorância da sociedade em crer que uma pessoa gorda é preguiçosa, incapaz e doente”.

Na internet

Francisco Zuñiga/ Reprodução

No blog Gorda e Sapatão, Jéssica Ipólito escreve sobre racismo, lesbianidade, feminismo, gordofobia e padrões de beleza. “Gosto de usar muitas imagens porque a falta de representatividade ainda reina na mídia, e esse é um canal que vai transbordar representatividade no audio-visual”, ela afirma na descrição do espaço. Um excelente cantinho pra formar senso crítico.


**Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!