logo AzMina
14 de junho de 2016

No Brasil, eu também tenho medo de um ‘episódio Pulse’

Apesar de no Brasil serem raros tiroteios como esse, é comum homossexuais não se sentirem confortáveis ou seguros. Nosso país nos cobra, através dos impostos, o mesmo que qualquer outro cidadão, mas não nos fornece uma segurança similar

O Divã de hoje é da Rúbia Suzuki.

Cruzes_na_bandeira_lgbt

Lembro-me como se fosse ontem da primeira vez que frequentei um ambiente LGBT: uma matinê no Largo do Arouche, em São Paulo. Ao lado do muro preto onde a fila se formava, eu sentia uma mistura de libertação e receio de alguém passar por ali atirando em todos da fila. Para minha felicidade, nada de mau aconteceu – diferentemente da última madrugada de sábado para domingo em Orlando, na boate Pulse.

Considerado como o pior massacre da história dos Estados Unidos, com 50 mortos confirmados e 53 feridos, novamente a comunidade LGBT é o foco do noticiário. Apesar de no Brasil serem raros tiroteios como esse, é comum homossexuais não se sentirem confortáveis ou seguros.

Nosso país nos cobra, através dos impostos, o mesmo que qualquer outro cidadão, mas não nos fornece uma segurança similar.

Andar de mãos dadas com quem se ama, para nós, não é tão simples quanto deveria ser. O medo é constante: receamos o olhar que recrimina, o comentário pejorativo ou até mesmo a violência física. E eles vêm, mesmo assim, seja no ambiente familiar ou no profissional – principalmente quando a bebida entra e as piadas desnecessárias e desrespeitosas saem.

A violência física, motivada pela intolerância, é justificada pelo homofóbico como um ato de correção do mau comportamento da humanidade – seja com base religiosa ou apenas por uma percepção distorcida de seu próprio papel na sociedade. Ao ver casais gays juntos, o “justiceiro” alega que tal lugar não é próprio para isso. O que parece, na verdade, é que ele deseja que nós, gays e lésbicas, nem existíssemos para não incomodá-lo – afinal, egoísmo e homofobia andam juntos.

O mais perturbador é que, aos olhos desta gente, a orientação sexual parece ser a característica definidora de quem somos. Resumir vidas por uma única variável é extremamente simplista e irracional. Enquanto a empatia não prevalece nos que se acham “justiceiros da sociedade”, a vida de pessoas é colocada em risco apenas porque amam alguém do mesmo sexo.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!