logo AzMina
4 de novembro de 2016

Festival inova misturando performance circense com música feminista

O tema da vez é "O corpo como liberdade: movimentos corporais para conhecimento e empoderamento feminino"

No dia 19 de Novembro a Hard Grrrls trás a influência circense e mostra a mulher em artes performáticas sob o olhar “O corpo como liberdade: movimentos corporais para conhecimento e empoderamento feminino”.

Com uma trupe selecionada a dedo “Hard Grrrls – O Espetáculo” contará com duas “one woman band”: Bloody Mary Una Chica Band e participação especial de DD Dagger diretamente de AUSTIN-TX.

DD Dagger, multi instrumentista, ora com seu sax ora com sua guitarra e uma base feita em seu computador, traz um mix de indie, erótica, rock, pop. Já Bloody Mary Una Chica Band destila garage noise com som distorcido e voz rasgada tocando guitarra, bateria e cantando, tudo ao mesmo tempo!

Nas pick ups, a DJ mexicana “Cerverita” (da festa Sonido Tropico) e a DJ Leona (the women beard) agitam a pista da Casa do Mancha.

Cerverita mescla sons orgânicos com Beats de Techno é símbolo desse delicioso estilo musical que está sendo criado em São Paulo. Já Leona é a performace de Leonardo Marchetti como mulher barbada. Ele criou essa personagem nos carnavais de Minas Gerais, apresenta-se barbudo, com cabelos longos loiros e toca electro rock, rock and roll, tudo voltado ao som riot grrrl.

Enquanto as djs tocam, o festival conta com espetáculos de mulheres circenses: “Esquetes de Palhaçaria Clássicas com Galeana & Trifunda” e “Nico Belo – Contorcionismo”.

cartaz

[INFOS]
QUANDO? Sábado, 19 de novembro de 2016
QUE HORAS? A casa abre às 20:00
VALOR? R$ 18,00
(Aceita os principais cartões)
ONDE? Casa do Mancha
R. Felipe de Alcaçova, 89 – Pinheiros, São Paulo – SP, 05416-020
(20 min a pé do Metro Vila Madalena ou 6 min de carro)

Evento no Facebook:
https://www.facebook.com/events/210193019400076/

A Hard Grrrls foi um dos e-zines mais importantes que surgiu em 2000 com o bum da internet no Brasil. Teve sua ascensão se tornando um portal e um festival. Encerrou suas atividades em 2006. Em 2016, uma edição revival do festival foi realizada e surgiu a parceria com a Revista AZMina.

* As opiniões aqui expressas são da autora ou do autor e não necessariamente refletem as da Revista AzMina. Nosso objetivo é estimular o debate sobre as diversas tendências do pensamento contemporâneo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.  

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso. 

FAÇA PARTE AGORA