logo AzMina

Por que a legalização do uso medicinal da maconha importa para mulheres?

A regulamentação do uso medicinal da cannabis foi aprovada na Câmara esta semana e a gente explica como isso é também uma questão de gênero

Esta semana, foi votado em comissão especial da Câmara o Projeto de Lei 399/15 que regulamenta o plantio da maconha para fins medicinais e a comercialização de medicamentos que contenham extratos, substratos ou partes da planta. O projeto passou apertado e agora segue para o Senado – se não houver recurso. 

A notícia gerou reação negativa de políticos e também do presidente, mas também foi celebrada por grupos que lutam há tempos pela legalização do uso medicinal da erva. Entre os últimos, muitas são mulheres, como Cidinha Carvalho e Margarete Santos. 

As duas lideram organizações que trabalham pela causa e entraram no movimento por causa da necessidade de suas filhas com doenças raras de ter acesso à cannabis para o tratamento. 

Como elas, muitas outras integram o movimento. E no vídeo do programa “Mas Vocês Vêem Gênero em Tudo?” deste semana, explicamos a relação entre gênero, raça e a descriminalização da maconha. 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA