logo AzMina

Ideologia de gênero: entenda o assunto e o que está por trás

Um movimento que pretende destruir a família? Aulas de sexo na escola? Do que exatamente estamos falando quando se fala em ideologia de gênero?
por Helena Bertho
23 de outubro de 2018
Imagem usada em página contra a ideologia de gênero no Facebook. (Reprodução)

“Ele também é contra a ideologia de gênero, que quer que aceitemos que ninguém nasce homem ou mulher”, escreveu uma integrante do grupo “Mulheres unidas a favor de Bolsonaro”, no Facebook. “O Haddad e o vice dele, Jean Willys [a vice de Fernando Haddad é, na verdade, Manuela D’Ávila], essa corja aí, disse que vai ensinar as crianças a ideologia de gênero, elas quem vão escolher o sexo e os pais não vão poder se meter nisso”, disse outra integrante do grupo.

A disputa presidencial trouxe à tona a polêmica ao redor do que é chamado “ideologia de gênero”. Apesar de não citar o tema em seu plano de governo, o candidato Jair Bolsonaro já se posicionou diversas vezes contra tal ideologia e o assunto é frequentemente citado por seus eleitores entre os motivos pela escolha do voto.

Mas o que exatamente quer dizer “ideologia de gênero”? O que isso significa na prática para as crianças e famílias?

Estudos de gênero

No Brasil, fala-se em ideologia de gênero principalmente nos debates ligados à educação. “Se chama erroneamente de ‘ideologia de gênero’ qualquer iniciativa que busque debater questões de ordem de gênero e orientação sexual em escolas, como iniciativas que visam combater as discriminações de gênero ou orientar e conscientizar sobre educação sexual”, explica Andressa Pellanda, coordenadora de políticas educacionais da Campanha Nacional Pelo Direito à Educação.

Nas redes sociais, no entanto, parece haver uma confusão em relação ao que seria o uso dessa ideologia na educação, indo de “aulas de sexo na escola” até o tão citado “kit gay”.

Leia mais: Como seria um governo de Bolsonaro para as mulheres?

Mas nunca houve, por parte de nenhum partido, propostas de incluir aulas de sexo ou um kit gay na educação. Também não existe uma ideologia de gênero. O termo se refere a um grande número de coisas, mas principalmente ao que se chama de “estudos de gênero”.

O pesquisador Rogério Diniz Junqueira, da Universidade de Brasília, explica em um artigo* sobre o tema que dentro desses estudos “há teorias (no plural), que contemplam diferentes disciplinas, várias matrizes teóricas e políticas, nas quais figura gênero como um conceito (e não uma teoria ou uma ideologia) com múltiplas acepções e implicações críticas”.

Essas teorias tentam analisar, entre outras coisas, de onde vêm as ideias de masculino e feminino que dão base à nossa sociedade e questionam os papéis que são automaticamente atribuídos a homens e mulheres. Já parou pra pensar quem decidiu que rosa é “coisa de menina”? E a ideia de que mulheres são mais compreensivas e maternais, enquanto os homens seriam mais duros e racionais? Os estudos de gênero buscam investigar as raízes e consequências dessas pré-definições.

Leia também a reportagem especial: Educando pra desigualdade

A partir desses estudos surgiram propostas para uma educação que seja mais inclusiva e respeitosa. “O que havia no Plano Nacional de Educação era a previsão de diretrizes para educação sexual, combate às discriminações e promoção da diversidade de gênero e orientação sexual. Isso é princípio básico de uma educação democrática e inclusiva, dois eixos fortes do Plano Nacional de Educação como um todo”, diz Andressa.

E o que significa incluir esses termos nos planos de educação? Quer dizer que há interesse em ensinar sexo para crianças ou ainda estimulá-las a serem gay?

Não. Educação sexual não quer dizer que a escola vai transformar crianças em homossexuais ou as incentivarem a “mudar de sexo”. Significa que a escola vai educar as crianças para aceitarem e respeitarem aquelas que forem homossexuais ou tiverem uma identidade de gênero diferente da que foi atribuída ao nascer (de acordo com o seu órgão sexual biológico).   

Orientação sexual ou identidade de gênero

Orientação sexual se refere à sexualidade e ao amor. Mulher que gosta de mulher tem a orientação sexual chamada de lésbica. Já a mulher que se relaciona com homens tem a orientação heterossexual.

Mas quando falamos de transexualidade, de transgênero ou cisgênero,  estamos falando de identidade de gênero. Olhar para o espelho e não se identificar com aquilo que vê. Esse é o sentimento dos chamados transgêneros, pessoas que não se identificam com o sexo biológico atribuído a elas desde o nascimento.

Indivíduos trans possuem uma identidade de gênero que é diferente do sexo que lhes foi designado no momento de seu nascimento. A identidade de gênero é diferente de orientação sexual — pessoas trans podem ter qualquer orientação sexual, incluindo heterossexual, homossexual, bissexual e assexual.

Leia mais: Trans, cis, travesti: guia inclusivo dos termos de gênero 

Andressa explica que a presença desses termos nos planos de educação tem como objetivo uma educação que aceite a diversidade. Ela diz que “a educação para as diversidades é importante porque é necessário desconstruir estereótipos e preconceitos para que possamos cumprir com a formação plena e cidadã de nossas crianças e jovens e também construir uma sociedade que combata todo e qualquer tipo de violência movida pela discriminação e pelo preconceito”.

Educação sexual

Trata-se de um tema transversal (que passa por diversas disciplinas, principalmente a biologia) do currículo escolar. A educação sexual visa preparar os alunos, de acordo com sua idade, para uma vida sexual segura e saudável, com prevenção de doenças e gravidez, por exemplo.

Educação sexual não é aula de sexo.

“Relatórios da Unesco demonstram que a educação sexual não incentiva a atividade sexual e nem o comportamento sexual de risco; também não faz aumentar infecções relacionadas a IST [infecções sexualmente transmissíveis] ou aids”, afirma Andressa Pellanda. A educação sexual também combate o abandono escolar por gravidez precoce e “ajuda jovens a se tornarem mais responsáveis em suas atitudes e comportamentos com relação à saúde sexual e reprodutiva”.

Leia mais: Você sabe do que está falando quando se diz contra a educação sexual nas escolas?

A educadora diz que “programas que promovem somente a abstinência sexual falham na prevenção à iniciação precoce e na redução da frequência e no número de parceiros entre os jovens”.

Cuidado com a desinformação

Rogério Diniz Junqueira explica que a ideia de “ideologia de gênero” é uma ferramenta de manipulação usada por grupos políticos para gerar adesão da sociedade de acordo com o interesse desse grupo. “É um slogan, uma categoria de mobilização, que pode se referir a muita coisa diferente, desde discussão sobre igualdade salarial entre homens e mulheres, discussões sobre gênero e sexualidade na escola, campanhas de prevenção de HIV, aborto, casamento entre pessoas de mesmo sexo. ”, explica ele e afirma que isso pode variar de acordo com o que está no debate político do lugar.

Ao falar no tema, esses grupos procuram tocar sempre em assuntos sensíveis, como sexualidade, aborto e pedofilia, para gerar pânico. Segundo o pesquisador, a ideologia é usada para desmoralizar o adversário político, dizendo que ele faz coisas horríveis e moralmente condenáveis, o que leva a esse pânico moral.

Um exemplo disso foram as notícias falsas que circularam dizendo que Haddad distribuiria mamadeiras em forma de pênis.

“O pânico moral possui forte potencial mobilizador e alta capacidade de atrair diferentes atores que nem precisam ser muito conservadores ou preconceituosos, mas que, diante do escândalo fabricado, ficam alarmados”, conta Rogério. Com isso, o candidato contrário à ideologia de gênero nem precisa mostrar suas propostas.

A reportagem tentou entrevista com diversos dos principais nomes atuantes contra a ideologia de gênero no país, mas não teve retorno.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito