logo AzMina

Futurar: tecnologias negras e novos imaginários

Está no ar o último episódio do podcast Futurar, uma parceria Conversa de Portão e Revista AzMina

Pensar em futuro é imaginar uma realidade com diversas soluções tecnológicas. Automaticamente pensamos em máquinas, robôs, computadores. Mas será que tecnologia é só isso? E em se tratando do ambiente virtual, as condições sociais são as mesmas para todas as pessoas? Como o machismo e o racismo se manifestam no mundo digital e provocam impactos reais?

No terceiro e último episódio do podcast Futurar, fomos a São Paulo e ao Rio de Janeiro conversar com as pesquisadoras Taís Oliveira e Silvana Bahia sobre os usos e o futuro das tecnologias por mulheres negras.

O podcast Futurar é uma parceria Revista AzMina e Conversa de Portão (Nós, Mulheres da Periferia). A série de três episódios discute como, em meio aos desafios trazidos pela pandemia e àqueles que já existiam, as mulheres negras seguem imaginando e criando futuros possíveis no meio ambiente, economia do cuidado e tecnologia.

No dia 23 de julho (sexta-feira), a série será encerrada com uma reportagem especial com conteúdos extras da apuração.

Esse projeto é parte de Narremos a Utopia, uma iniciativa de Puentes para imaginar um futuro feminista, interseccional e inspirador.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!