logo AzMina

Frases machistas que não aguentamos mais ouvir

Por que ainda tem gente que acha normal falar maria chuteira ou maria gasolina?

“Fecha essas pernas”, “já pode casar”, “até que você tá bem pra idade”. Frases machistas acompanham uma mulher pela vida toda. Desde o nascimento, ela escuta comentários sobre seu corpo, sua roupa e seu modo de levar a vida. Tudo isso sem pedir, é claro. E quem veio falar disso com a gente foi a Déia Freitas, do podcast Não Inviabilize.

É a Déia quem narra o episódio de estreia do nosso novo programa AzMina dá a Letra para esclarecer para todo mundo sobre frases machistas que a gente não aguenta mais ouvir. Afinal, em pleno 2022 comentar a vida íntima da mulher e julgá-la por isso já não faz mais nenhum sentido, né?

E o pior é que ainda tem gente que acha que é normal falar que uma mulher está brava porque está de TPM.

Esse vídeo é pra lembrar que o machismo e o preconceito começam também nas palavras e no que falamos – e que isso acaba refletindo em tudo que fazemos. Pode parecer engraçado, mas é nos comentários aparentemente inofensivos que a violência contra a mulher começa.

A cada quinze dias teremos um episódio novo, falando de outros temas onde a linguagem já deveria ter evoluído – cada programa com uma narradora especial! Assista! E não se esqueça de se inscrever no nosso canal para saber quando tiver vídeo novo no ar!

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA