logo AzMina

Chupar charque: quantas gírias sapatão você conhece?

AzMina e a criadora de conteúdo Jessica Tauane revelam as expressões do brejo que rolam pelo Brasil

Sabe aquele rolê que todas as sapatão da cidade aparecem? Ele tem nome. E não é festa, nem paraíso, nem show da Maria Gadú. É brejo. E aquele romance que começou com você, passou pela sua vizinha e virou a atual da sua ex? É rebuceteio! E sabe aquela sensação de que você pode beijar o mundo, mas não consegue esquecer aquela gata porque ela tem o mapa da sua ppk? Pega aí o diagnóstico: o nome disso é chá de buceta. 

Se tem povo mais criativo que as sapatão, ainda não me apresentaram. São tantas gírias que daria para criar um dicionário – e como a gente não é boba nem nada, foi exatamente isso que a gente fez. A criadora de conteúdo Jéssica Tauane topou entrar com a gente nessa viagem de caminhão e narrou esse episódio inteirinho do AzMina dá a letra no Youtube. Assista! Quando você terminar, você vai entender expressões como: “chupar charque”, “cacura”, “embucetada”, “desfem” e várias outras.  O negócio tá tão bom que ninguém ficou de fora. Até Daniela Mercury e Ludmilla ganharam um nome de brejo.

A cada quinze dias sai um episódio novo, por isso já se inscreve no canal de Youtube d’Azmina tem vídeo novo toda terça-feira e, quando dá, nas quintas também. Você vai rir, aprender, problematizar, refletir e, quem sabe, gozar com tanto conhecimento.

Leia mais: Sexo Sapatão – primeira vez com xoxota dá para ser bom?

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA