logo AzMina

Daniela Mercury, Valesca Popozuda e Tiê. Com esse time mais do que estrelado, AzMina levou a discussão sobre desigualdade salarial para rádios, redes sociais e para o YouTube. Em diversos canais, músicas das 3 cantoras eram interrompidas em 70% da reprodução. O susto era explicado por uma mensagem alertava: “mulheres ganham apenas 70% do que os homens ganham”. No jornalismo, a discussão foi aprofundada com matérias especiais sobre a mulher e o mercado de trabalho. A campanha foi premiada com 4 Leões em Cannes, no mais relevante prêmio da publicidade mundial.

Conheça a campanha

Como os estereótipos estão atrapalhando sua carreira e reduzindo seu salário

5 ações que precisam mudar para acabar com a desigualdade de gênero no trabalho

 

 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA