logo AzMina

A Revista AzMina lançou em 2020 o Elas no Congresso, plataforma para monitorar a atuação parlamentar no Congresso Nacional em relação aos direitos das mulheres. Com um ranking de deputados e senadores, o site mostra quais políticos e partidos têm atuado de maneira positiva e negativa para as mulheres.

Para avaliar a atuação do Congresso Nacional em relação ao tema, são levantados todos os projetos de lei (PL), emendas constitucionais ou decretos legislativos que contém palavras-chaves relacionadas à temática de gênero, com curadoria realizada pela equipe d’AzMina. São termos como “violência contra a mulher”, “Lei Maria da Penha’, “licença-maternidade” e “aborto”. 

As avaliações desses projetos de leis criados pelos deputados e senadores são feitas por organizações que atuam na defesa dos direitos das mulheres no Brasil. Elas analisam os projetos e os categorizam como favoráveis ou desfavoráveis para o avanço dos direitos das mulheres. A partir dos projetos propostos e avaliados, cada parlamentar recebe uma nota que define sua posição no ranking. 

Na primeira edição do ranking, quinze organizações que atuam na luta pelos direitos das mulheres avaliaram cada um dos projetos, você pode ver todas aqui

Além do ranking interativo, que permite comparar a atuação dos congressistas, o site conta com perfil de cada um deles, páginas de cada PL proposto com comentário da organização avaliadora e reportagens com análises dos dados levantados. Todas as novidades e análises são divulgadas pela newsletter do projeto (cadastre-se aqui para receber).

O site amplia o trabalho do bot @Elas no Congresso no Twitter, que monitora e publica a tramitação ligada a questões de gênero em tempo real no Congresso Nacional. O perfil foi lançado em março de 2020. 

Com o apoio financeiro do Google News Initiative e de outros financiadores, AzMina montou para o projeto uma equipe que inclui jornalistas de dados, repórteres, editoras, estatística, além de uma equipe de desenvolvimento e design especializada em visualização de dados.

O código da robô @elasnocongresso é aberto e está disponível no GitHub da Revista AzMina.

Jornalismo independente depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina