Em resposta a uma reportagem feita pela Revista Veja em que Marcela Temer  é defendida como o padrão perfeito de mulher “bela, recatada e do lar”, mulheres de todo o Brasil tem postado fotos que quebram esse tabu de ideal feminino. E a equipe da Revista AzMina aderiu!

13000226_10208243662545241_5833642107971160850_n

13000340_10153561098021398_6474257742836607362_n

13062004_10209245577035201_1681678635848942489_n

Screen Shot 2016-04-19 at 5.46.02 PM

image

tumblr_o5wn69bDTK1vs8foco1_1280

image

13007341_990464937669025_1096914660117559400_n

13043531_10153366215466086_1905028260251938916_n

13048254_1303776692973126_3652584744617781622_o

 

13010766_1338242382859280_3794049298126813777_n

Os adjetivos “Bela, recatada e ‘do lar’” são, claramente, uma cutucada na presidenta Dilma Rousseff, ofendida frequentemente por muitos – e principalmente por Veja e seus leitores – com os adjetivos “feia, mandona e intrometida na esfera pública”.

Leia mais: Afinal, por que a capa da Istoé é machista?

O problema não é ser quem Marcela – ela quem sabe o que a faz feliz – é vender Marcela como o padrão a ser seguido por todas as mulheres.

E é, acima de tudo, o recado implícito de que essa é a mulher que a “família tradicional brasileira” e o “cidadão de bem” (expressões odiosas essas, não?) aceitam ver na política, ou seja, não no protagonismo, mas a “grande mulher por trás do grande homem”. O brasileiro xinga Dilma de palavrões machistas em vez de criticar sua incompetência como gestora – que salta aos olhos, argumentos para criticá-la de maneira respeitosa e inteligente não faltam. Pintam-na de histérica em capa de revista, de “sapatona” (como se isso fosse uma ofensa). Mas Marcela, essa assim aceitamos porque ela se curva a seu homem.

raivadeleedela

O que este perfil está dizendo, no final das contas, é: mulheres ponham-se no seu lugar e seu lugar é este.

Deputados deixaram claro durante todo o espetáculo de diarréia verbal de domingo à noite: eles acreditam que lugar de mulher é em casa e não na política. Pior: acreditam que as mulheres só podem encontrar a felicidade desta maneira. Sua mentalidade estreita não possibilita que percebam que nós, mulheres, existimos em todos os tamanhos e formas e atendemos a diversos modelos de felicidade.

De Temer, ao contrário, o artigo de Veja pouco exige. É considerado romântico, inclusive, porque a levou para jantar há oito meses (!). Mas Marcela tem que dar tudo. Inclusive, ser mais jovem e sonhar com mais filhos. Isso que é ser mulher de sorte!, diz Veja. Batalhar por direitos, no protagonismo da política, isso não. Isso não é “ser mulher de família”.

Uma nova gravidez de Marcela seria honra, viva, no mesmo dia em que um meme de mau gosto afirma que Dilma, uma mulher fora da idade reprodutiva, usará licença maternidade para dar um golpe no povo. Sem contar o quanto isso coloca a maternidade, um serviço da mulher à sociedade, como uma manobra pra não perder emprego. Como se estabilidade no cargo em caso de gestação fosse um benefício e não um direito justo.

13015564_986085214774175_8159143292599114244_n