logo AzMina

Veja o ranking dos aliados e inimigos da mulher no Congresso Nacional

Entenda como deputados e senadores têm atuado em relação aos direitos das mulheres

Você sabe como sua deputada ou senadora tem trabalhado desde as eleições? Tem ideia do que ela (ou ele) tem feito em relação aos direitos das mulheres durante seu mandato? Se as respostas foram não, tudo bem. A verdade é que é bem difícil acompanhar de perto o trabalho dos Congressistas e entender como eles têm atuado. E o ranking Elas no Congresso foi pensado exatamente para facilitar isso. A partir da análise de 17 organizações que trabalham pelas mulheres de todo o trabalho parlamentar na primeira metade do mandato, rankeamos deputados e senadores de acordo com sua atuação com os direitos das mulheres.

Quer saber quem está em primeiro lugar ou em último? Ou conferir como seu candidato tem atuado? Acesse o ranking aqui.

O Elas no Congresso analisou junto a 17 organizações que trabalham com os direitos das mulheres 649 projetos de lei sobre gênero que foram criados em 2019 e 2020 no legislativo brasileiro. 

Descobrimos que 1 em cada 4 projetos são desfavoráveis aos direitos das mulheres. Além de projetos que tentam restringir direitos, como no caso do aborto legal, ou que desvirtuam legislações importantes para o combate à violência contra a mulher, como a Lei Maria da Penha, grande parte dos projetos negativos focam exclusivamente na punição do autor da violência em diferentes situações. São medidas que efetivamente aumentariam o encarceramento no país e, segundo as organizações consultadas, não resolveriam as questões estruturais dos problemas que envolvem gênero no país. 

Confira mais aqui!

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA