logo AzMina

Silvia Federici participa de evento gratuito em São Paulo

Autora do livro O Calibã e A Bruxa, a historiadora feminista dialoga com militantes e pensadoras brasileiras no dia 24
A historiadora Silvia Federici. Foto: Wiki Commons

A caça às bruxas é uma história distante no passado? Para a historiadora Silvia Federici, não. Em suas pesquisas e estudos, ela analisa como a caça às bruxas e a dominação dos corpos femininos foi parte essencial para que o capitalismo existisse e, até hoje, acontece de diferentes formas para manter o sistema de pé. É sobre a história e a atualidade das mulheres que ela fala no evento gratuito que acontece dia 24, no Memorial da América Latina em São Paulo.

Professora emérita da Universidade Hosfra, em Nova York, Silvia é autora do livro O Calibã e  Bruxa: mulheres, corpo e acumuação primitiva, que já vendeu mais de 20 mil exemplares desde seu lançamento no Brasil, em 2017. Ela vem ao país para o lançamento de dois novos livros: O ponto zero da revolução: trabalho doméstico, reprodução feminista (Editora Elefante, lançado em março de 2019) e Mulheres e a caça às Bruxas (Boitempo, lançamento dia 23/9). 

Nascida na Itália, Silvia Federici mora nos Estados Unidos desde 1967, onde ajudou a fundar o Coletivo Feminista Internacional e participou da Campanha “Wages for Housework”, na década de 70, que exigia remuneração do governo para o trabalho doméstico, para que as mulheres tivessem condições e liberdade para fazer escolhas sobre seus corpos. 

Durante os anos 80, Silvia viveu na Nigéria, como professora na Universidade de Port Harcourt, onde acompanhou a organização feminista Women in Nigeria. 

No evento, ela debaterá com Sabrina Fernandes, autora do livro Sintomas mórbidos: a encruzilhada da esquerda brasileira, Mariléa de Almeida, doutora em história pela Universidade de Campinas e assessora da mandata da deputada estadual Erica Malunguinho; e Jera Guarani, liderança indígena guarani mbya de São Paulo. 

Conversa com Silvia Federici

Quando: 24 de setembro, às 19h 

Onde: Memorial da América Latina

Gratuito – abertura para distribuição de senhas às 17h 

Ei, você quer que o jornalismo feminista exista?

AzMina coloca tecnologia, dados e jornalismo a serviço do feminismo. Se você acredita nesse trabalho e quer que ele continue, apoie hoje o jornalismo independente que fazemos.

EU APOIO AZMINA