logo AzMina

“Precisamos Falar com os Homens?” – um filme do qual não dá pra fugir

A turma do Papo de Homem foi atrás dessa resposta e o resultado foi um documentário cuja pré estreia a gente acompanhou e te conta como foi
precisamos-falar-com-os-homens
Cena do documentário produzido pelo Papo de Homem – Foto: Reprodução

Não há muito como escapar. Ele é o cobrador do ônibus, é o caixa da padaria. Pode ser seu chefe, seu estagiário, seu marido. Eles são metade da população mundial e estão por toda parte, de modo, amigas, que não tem muito jeito: nós precisamos falar com os homens. A pergunta mais difícil é:como vamos falar com eles? A turma do Papo de Homem foi atrás dessa resposta, e o resultado é o documentário “Precisamos Falar Com os Homens?”, cuja pré estreia a gente acompanhou e te conta como foi.

Com narração dos globais Leandra Leal e Caco Ciocler, o documentário percorre diversas cidades do Brasil buscando comprovar o óbvio:

homens e mulheres são a matéria prima da sociedade, e é impossível viver em harmonia sem que o feminismo ajude, também, a construir novas formas de masculinidade.

A apresentação dos dados estatísticos – fruto de uma pesquisa da ONU Mulheres, parceria do projeto – é primorosa, com gráficos que devem desconcertar aqueles que insistem em dizer que a dominação masculina é coisa do passado.

“Quando são pequenos, ganham armas e carros – e quando são adultos, não queremos que se matem”, diz uma das entrevistadas pela produção. De Pernambuco a São Paulo, o longa vai nos mostrando diversos projetos e conceitos que, de diferentes formas, trabalham para a construção de masculinidade que não sejam atravessadas pela violência, pela homofobia e pela dominação da mulher.

De fato, embora seja importante entender que optar por um feminismo voltado para os homens é apenas uma opção entre tantas outras válidas, é preciso aceitar que enquanto nossa cultura não parar de forjar agressores, assediadores e estupradores, pouca coisa vai mudar pra nós.

Mas será que o documentário, de fato, inclui os homens nessa conversa? Pouco provável. Na plateia do cinema Kinoplex Itaim, os homens eram gatos pingados entre as cerca de 150 pessoas. Sim, ao nosso tempo e de acordo com a nossa vontade, a gente precisa falar com os homens. Mas será que eles estão preparados pra nos ouvir?

* o documentário estará disponível nesse link a partir de amanhã!

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!