logo AzMina

Novo projeto quer unir candidatas de todo o Brasil sob uma bandeira feminista

Iniciativa Cidade das Mulheres propõe um programa feminista comum, independente de partidos, para renovar a política brasileira

cidade das mulheres

“Queremos uma nova política, com novos rostos, com participação feminina e baseada nas mobilizações que protagonizamos nas ruas e nas redes. Vamos juntas construir a cidade das mulheres”! Com um manifesto que se encerra neste grito, o projeto Cidade das Mulheres foi lançado hoje com a proposta de levar para a política a força do movimento feminista que tem sido visto na internet e nas ruas nos últimos anos.

Criado pelas mulheres do Coletivo Juntas – um coletivo feminista nacional -, o projeto não é ligado a partidos e propõe a criação de um programa unificado ao qual candidatas de todo o país possam aderir. “Em ano eleitoral, os temas do feminismo, que já estão presente em outras áreas da sociedade, devem chegar à política, um espaço dominado por homens ainda. Tanto em pautas que dizem respeito a políticas para mulheres, quanto em representatividade”, explica Sâmia Bonfim, uma das criadoras do Cidade das Mulheres.

Qualquer mulher, grupo de mulheres ou organização pode enviar sugestões de pautas para a plataforma política, que será construída de maneira colaborativa. Acontecerão também encontros presenciais para discutir essas pautas. O programa ficará disponível online e candidatas às eleições municipais, que se identifiquem com ele, poderão aderir e começar a renovar a política brasileira.

“Diante da crise política que estamos vivendo, as mulheres podem ser parte importante para pensar novas formas de fazer o governo”, afirma Sâmia.

Para ela, o projeto incentiva a mudança ao estimular mulheres a ocuparem espaços na política e também ao propor temas comumente negligenciados.

As criadoras do Cidade das Mulheres estão em contato com candidatas em todo o Brasil e já têm adesão em seis cidades, entre elas Belo Horizonte e Porto Alegre. Mas querem chegar a bem mais e vão continuar abordando candidatas.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!