logo AzMina

Novo livro e exposição desnudam a cartunista Laerte – figurativa e literalmente

Artista sai do silêncio depois de seis anos sem publicar nada e exibe novas HQs e nus artísticos

Depois de 6 anos sem publicar, a autora de “Piratas do Tietê”, tira diária na Folha de São Paulo, volta às livrarias.

thumbnail_Tirinha 3

Uma das principais cartunistas e nome de peso das artes gráficas do Brasil, Laerte Coutinho torna a publicar com seu novo livro “Modelo Vivo”. A obra conta com uma história em quadrinhos inédita e alguns desenhos de modelos humanos nus, fruto de um curso livre que fez em 2013 com seu filho, Rafael Coutinho, e a nova trajetória percorrida pelo eu-artístico da autora. As peças se intercalam com algumas de suas histórias já publicadas na Circo Editorial, para produzir uma espécie de retrato histórico da artista Laerte.

thumbnail_Tirinha 2

A autora de quadrinhos, cartuns e charges tem diversos livros publicados, além de ilustrar outros vários. Já publicou no jornal O Pasquim, O Bicho, Estado de São Paulo, além da sua tira diária na Folha de São Paulo. Entre as suas principais séries de HQs estão os “Piratas do Tiête” e “Los 3 Amigos”.

O livro foi organizado por Toninho Mendes, ex-editor das revistas da Circo Editorial, e será lançado pela Barricada, selo de quadrinhos da Editora Boitempo. Haverá a sessão de autógrafos com a artista Laerte Coutinho em São Paulo, no dia 5 de novembro, das 15 às 17 horas, na Comix Book Shop (Alameda Jaú, 1998).

image008

Além disso, a partir do dia 26 de novembro, serão expostos retratos da autora nua feitos pelo fotógrado Rafael Roncato, com entrada gratuita, na loja Ugra, lá na Galeria Ouro Velho (Rua Augusta, nº 1371, loja 116). A mostra, com nome “Adágio”, pode ser vista de segunda à sexta, das 12 às 20h, e aos sábados das 10 às 19 horas.

thumbnail_Laerte por Rafael Roncato -série Adágio
Foto: Rafael Roncato

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA