logo AzMina

Festival sobre feminismo negro começa hoje, no Sesc Pompéia

A temática deste ano é a ancestralidade afro-indígena, em homenagem ao dia e o mês da Consciência Negra

Entre conversas, oficinas e performances, a segunda edição do projeto  “Gritem-me, Negra!” acontece a partir de hoje, com a temática da ancestralidade afro-indígena, em homenagem ao dia e o mês da Consciência Negra.

A programação será mediada por mulheres negras e indígenas, artistas, intelectuais e militantes e pauta será o empoderamento feminino, o feminismo negro, o ativismo nas redes, as questões da representatividade e a consciência racial e o combate ao racismo. A programação inclui palestras sobre os grandes nomes do feminismo negro, como Angela Davis, Bell Hooks, Maria Beatriz Nascimento e Lélia Gonzalez – além de contar com mulheres negras incríveis presentes, como Maria Rita, coordenadora do Blogueiras Negras; a jornalista Tia Má; Jerá Poti Porã, líder indígena guarani; Juçara Marçal, do grupo Metá Metá.

Haverá a atividade infantil “Ubuntu”, com contação de histórias e danças da tradição africana para os pequenos. Haverá ainda um minicurso de feminismo negro, com Jaque Conceição. Você pode ver a programação completa aqui.

O “Gritem-me, Negra!” começa hoje, no Sesc Pompéia, e irá até o dia 27 desse mês. Todas as atividades são gratuitas. A curadoria do projeto é do próprio Sesc, em parceria com a Renata Martins, do projeto “Empoderadas”.

Sesc Pompéia, R. Clélia, 93. Aberto de terça a domingo, das 8:45 às 21h. Foto: Pedro Kok

 

 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA