logo AzMina

Festival sobre feminismo negro começa hoje, no Sesc Pompéia

A temática deste ano é a ancestralidade afro-indígena, em homenagem ao dia e o mês da Consciência Negra

Entre conversas, oficinas e performances, a segunda edição do projeto  “Gritem-me, Negra!” acontece a partir de hoje, com a temática da ancestralidade afro-indígena, em homenagem ao dia e o mês da Consciência Negra.

A programação será mediada por mulheres negras e indígenas, artistas, intelectuais e militantes e pauta será o empoderamento feminino, o feminismo negro, o ativismo nas redes, as questões da representatividade e a consciência racial e o combate ao racismo. A programação inclui palestras sobre os grandes nomes do feminismo negro, como Angela Davis, Bell Hooks, Maria Beatriz Nascimento e Lélia Gonzalez – além de contar com mulheres negras incríveis presentes, como Maria Rita, coordenadora do Blogueiras Negras; a jornalista Tia Má; Jerá Poti Porã, líder indígena guarani; Juçara Marçal, do grupo Metá Metá.

Haverá a atividade infantil “Ubuntu”, com contação de histórias e danças da tradição africana para os pequenos. Haverá ainda um minicurso de feminismo negro, com Jaque Conceição. Você pode ver a programação completa aqui.

O “Gritem-me, Negra!” começa hoje, no Sesc Pompéia, e irá até o dia 27 desse mês. Todas as atividades são gratuitas. A curadoria do projeto é do próprio Sesc, em parceria com a Renata Martins, do projeto “Empoderadas”.

Sesc Pompéia, R. Clélia, 93. Aberto de terça a domingo, das 8:45 às 21h. Foto: Pedro Kok

 

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!