logo AzMina

Facebook veta fotos de projeto pró-amamentação

Em abril foi sancionada uma lei que prevê multa para quem impedir uma mãe de amamentar seu filho, mesmo assim o Facebook continua bloqueando fotos do tema

Em abril de 2015, foi sancionada uma lei em São Paulo e no Rio de Janeiro que prevê multa para quem impedir uma mãe de amamentar seu filho, em qualquer local público ou privado. Porém, ainda ocorrem situações constrangedoras e até discriminatórias contra essa prática tão natural – e o Facebook é um dos maiores vilões desta história. Mariana Ramos é membro do projeto coletivo CriaTua que estimula o aleitamento materno e recentemente teve algumas de suas fotos bloqueadas em sua página do Facebook.

“Temos o direito sobre nossos corpos. Muitas já foram barradas na hora de amamentar (na vida real e nas redes), comigo mesmo um casal já mudou de mesa quando fui amamentar minha filha num restaurante”

O projeto tem como principal objetivo falar sobre maternidade real, sem romantizações. O grupo, com mais de 70 mães, se reúne em vários espaços culturais de Brasília, quase toda semana. Elas compartilham uma rede de apoio mútuo e também de troca de experiências. Tudo começou com algumas amigas que se conheceram em aulas de ginástica para gestantes. “A gente sempre comentava que existem muitas coisas nesse universo que ninguém conta”, afirma Mariana.

A ajuda coletiva vai de temas como amamentação, questões psicológicas, feminismo, educação das crianças, entre outras pautas. O coletivo criou duas hashtags após o ocorrido na página no Facebook, a #NoPeito e #AmamentoSim; e também se juntaram ao #MeuCorpoMinhasRegras. O site reúne fotos e depoimentos das mães participantes, junto à outras fotos produzidas pela fotógrafa Fernanda Ottoni.

Segundo elas, ninguém tem o direito de julgar uma mãe que escolhe parar de trabalhar para cuidar exclusivamente dos filhos, e nem a mãe que os deixa sob os cuidados de outras pessoas para tal. Ninguém te ensina a ser mãe e nem há um método de ser uma mãe boa ou ruim. Amamentar não é vulgaridade, não precisa ser escondido.

Fotos: Fernanda Ottoni

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!