logo AzMina

Elas estão enchendo o Carnaval de feminismo pra você. Quer brincar junto?

Estas mulheres já têm planos pra colocar o #UmaMinaAjudaAOutra em prática na folia - algumas já estão com a mão na massa
Conspiração Libertina cria tatuagens removíveis feministas, engraçadas e de baixo custo pra protestar na folia. Da esquerda pra direita Luciana Lobato e Erica Gurgel, que protestam juntas neste pré-Carnaval. Foto: Divulgação

Um símbolo de solidariedade para mulheres no Carnaval.  Foi com isso em mente que um grupo de mulheres teve a ideia de sair para os blocos com uma faixa vermelha no braço, sinalizando que você está à disposição para ajudar qualquer mulher que esteja se sentindo assediada ou ameaçada.

“A nossa proposta é criar um ambiente de maior apoio para e por nós mulheres durante o Carnaval. A faixa vermelha será como um sinal de que a mulher ao seu lado está ali disposta a ser seu porto seguro”, afirma Luiza Navarro de Azevedo, cocriadora das Minas de Vermelho.

O plano começou pequenininho: Anahi Cubas, Ana Luísa Souto, Ana Luiza Geraldini, Marina Spieth e Luiza pensaram em fazer a coisa rolar em sua cidade, Barão Geraldo (Campinas, SP). Mas logo a ideia pegou e ouviram dizer que mulheres de vários cantos do Brasil iriam aderir. “Ficamos muito felizes com toda a força que está se unindo, e o nosso desejo é que existam o máximo de #MinasDeVermelho possível”, celebra Luiza.

Da esquerda para a direita As Minas de Vermelho Nina Spieth, Luiza Navaro e Ana Luiza. Foto: Divulgação

O sucesso da iniciativa é sintoma um movimento que está tomando o país: uma corrente de mulheres trabalhando para combater o assédio na festa mais popular do ano. É o espírito de #UmaMinaAJudaAOutra tomando conta da folia.

Foi com esse mesmo espírito que as designers Luciana Lobato e Gabriela Alves resolveram ajudar mulheres a transformar seu corpo em protesto. A ambição das duas ia além: queriam que isso fosse feito a baixo custo e com humor. Dois carnavais mais tarde, elas colhem os frutos ao ver a mulherada desfilando as tatuagens feministas removíveis da Conspiração Libertina nos blocos de Brasília.

“Acham que protestar no Carnaval é chato? Chato mesmo é enfrentar assédio e machismo quando a gente só quer se divertir!”, afirma, convicta, Gabriela. “Porque Carnaval é um período festivo, mas pode também ser um período chato pra caralho para as mulheres.”

“Viver é um ato político, se divertir também pode ser”, complementa Luciana. “A ideia é que qualquer superfície possa servir ao seu ativismo: até mesmo sua pele”.

Pra isso, cada tatuagem custa pouco, é distribuída por correio e usa pequenos produtores locais. E as criadoras afirmam que elas servem mesmo o propósito de combater o assédio. Não é à toa que a mais vendida deste Carnaval é uma que diz “Sai hétero”, popular não só entre lésbicas que querem evitar a insistência de um público que não as interessa, quanto mulheres hétero que não querem nem conversa com homens homofóbicos.

Há também quem está trabalhando dentro do governo pela causa. A vereadora paulista Sâmia Bomfim (PSOL), que se elegeu com uma plataforma feminista, está distribuindo material anti-assédio nos blocos de São Paulo. O lema de sua campanha é Carnaval Sem Machismo.

Não podemos esquecer dos bloquinhos feministas de Carnaval pipocando, como diz o velho ditado, do Oiapoque ao Chuí.

Tem o Vaca Profana em Olinda, o Bloco Pagu em São Paulo, o Bloco Mulheres Rodadas  e Bloco das Trepadeiras no Rio, Não Mexe Comigo que Eu Não Ando Só em Porto Alegre, Damas Cortejam em Fortaleza, o Mais Tetas menos Tretas em Aracaju, o Respeite as Minas em Salvador, Block das Perseguidas em Brasília e tantos mais que não cabia nesta reportagem.

Entre eles, um tem a proposta especial de combater o preconceito contra lésbicas, ou lesbofobia, o Siga Bem Caminhoneira, de São Paulo. Como é Carnaval, o nome é brincadeira com os estereótipos bobos que se criam por aí sobre elas, mas o objetivo é bem sério.

“Queremos resistir a esse fetiche masculino de lésbicas super femininas dos filmes pornôs e ser quem somos sem medo”, conta Leka Peres, organizadora da marcha.

O grupo também pretende se articular com o Centro de Cidadania LGBT Arouche e trazer uma Unidade Móvel de distribuição de preservativos (femininos e masculinos) e gel lubrificante – o que também acaba com o mito horroroso de que sexo lésbico não exige camisinha e faz com que cerca 60% das lésbicas tenham DSTs. Quem quiser ajudar essas minas a arrecadarem fundos para um carro de som do bloco pode participar da festa de arrecadação que ocorre no dia 25 de fevereiro. Mais detalhes aqui.

“Qualquer bloco que coloque a mulher como protagonista é importante, seja cantando, tocando, produzindo… Estamos num processo de tentar acabar com a objetificação das mulheres e no Carnaval”, arrebata Leka. “E um bloco que se assume sapatão e feminista tem uma enorme importância pra mostrar quão diversas as mulheres são e quão tolerantes podemos ser dentro e fora do Carnaval.”

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!