logo AzMina

Depressão e suicídio: como o machismo afeta nossa saúde mental?

São as mulheres que tentam mais suicídio. E isso tem tudo a ver com a estrutura patriarcal e racista que estamos inseridas

Está difícil para você manter uma boa saúde mental neste país pandêmico? Se sua resposta for positiva, saiba que não é a única. Uma pesquisa feita pela Universidade de São Paulo mostrou que o Brasil lidera um ranking de 11 países com maior número de casos de ansiedade (63%) e depressão (59%) na pandemia.   

Esses dados evidenciam o quanto o contexto político e social influencia no sofrimento de uma população, mas nós explicamos no vídeo acima  o quanto é preciso olhar, também, para o recorte de gênero quando se fala de sofrimento mental.  Assista!

Dados do Ministério da Saúde mostram que as mulheres são maioria (67%) nos registros de violência autoprovocada e tentativas de suicídio, embora sejam os homens que lideram o número de pessoas que decidiram abreviar a própria vida.

Para ler esse cenário, é preciso considerar o quanto a estrutura patriarcal é capaz de provocar traumas nas mulheres, porque além de impor padrões, deslegitima o sofrimento feminino e coloca as mulheres como as cuidadoras do mundo, impedindo-as de olharem para as suas próprias questões psíquicas. E quando essas mulheres são negras a situação é ainda mais grave porque é atravessada pelo racismo estrutural. 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!