logo AzMina

“Como eu pintava meninas, diziam que aquilo não era grafite”

Artista plástica Nina Pandolfo conta como foi impedida de trabalhar por inspirar-se em imagens femininas

Por Ivy Farias

image2
Fotos: Nina Pandolfo/ Divulgação

Rosa e Azul. Apesar de parecer as cores que segregam homens e mulheres desde a maternidade, este é o título do famoso quadro de Renoir. O pintor francês não foi o único a retratar meninas e nem o único artista a se inspirar em mulheres (afinal, o que é a Monalisa?!). Entretanto, a artista Nina Pandolfo ficou de fora por pintar… meninas! Às vésperas de lançar seu segundo livro, “Por Trás das Cores” (Editora MasterBooks, 212 páginas, R$99), ela cozinhava seu jantar enquanto atendia à reportagem.

Na entrevista abaixo, Nina, que já pintou castelos na Escócia e expôs suas obras em galerias em São Paulo, Nova York e Londres, deixa claro que o machismo atinge a todas – independente do patamar em que esteja e de como é importante ter uma criação sem limitações de gênero para ser o que se quiser.

AZMINA: Você começou sua carreira no grafite. Como foi?

NINA: Em 1991, 92, as únicas mulheres brasileiras na área eram a Yama e eu – que eu me recorde. Na época, o grafite desafiava padrões, então, não havia qualquer comentário entre nós com relação ao gênero.

AZMINA: Como assim?

NINA: Nós nos respeitávamos como artistas. Não dependia de ser homem ou ser mulher. Éramos artistas e ponto.

AZMINA: Não houve preconceito?

NINA: Pelo fato de ser mulher, não. O que existia era a associação do grafite com a cultura hip hop e, como eu pintava meninas, diziam que aquilo não era grafite. Mas como naquela época o nosso grafite também rompia paradigmas, então, para esses críticos, nenhum de nós era grafiteiro. Segui porque acreditava no meu trabalho.

AZMINA: Quando você começou a grafitar sofreu represália ou castigo dos seus pais?

NINA: Não. Eles me perguntaram o que era, se havia perigo, se era crime. Eu fazia os grafites, tirava fotos e esperava o filme acabar. Revelava e depois de umas três, quatro semanas, mostrava para eles. Depois que meus pais viram que era basicamente o mesmo que já pintava em casa, ficaram felizes.

AZMINA: Então você sempre pintou meninas?

NINA: Sempre. Conto nos dedos os meninos que pintei. As meninas sempre foram minha temática.

AZMINA: E por quê isso?

NINA: Em casa, sou eu e mais quatro irmãs. Tem a minha mãe.

AZMINA: Era “A Casa das Seis Mulheres”?

NINA: Era “A Casa das Seis Mulheres e Um Homem Louco”. Meu pai era o único representante do sexo masculino. E, talvez por isso, em casa nunca teve brincadeiras de meninas ou brincadeiras de meninos. Fomos criadas sem barreira de gênero.

AZMINA: Você nunca sofreu nenhum tipo de preconceito ou retaliação por ser mulher?

NINA: Isso existiu. Um curador de outro país (Nina prefere não especificar) buscava artistas para fazer um mural com artistas do mundo todo. Ele me conhecia, parabenizou meu trabalho e disse: “Se você não pintasse meninas, lhe chamaria para participar desta obra”.

AZMINA: E o que você respondeu?

NINA: Nada. Lamentei apenas, pois o mural não teve representação de mulheres e não teve artistas mulheres.

AZMINA: Só lamentou?

NINA: Sim. A justificativa dele não foi que era um problema eu ser mulher , mas, sim, pintar mulheres.

Veja a história da arte: qual o sentido de ser excluída por retratar mulheres? Este critério dele não faz sentido algum.

AZMINA: Comentários machistas aconteceram quando você era taxada de grafiteira e, depois, no exterior. Como é no Brasil?

NINA: Agora sou considerada artista. E nas artes há mulheres como a Beatriz Milhazes, a Leda Catunda…

AZMINA: A Tarsila, a Tomie, a Anita…

NINA: Sim! Não faltam mulheres na arte.

AZMINA: Na sua casa você é a única artista?

NINA: Não: minha mãe faz crochet e ensinou a técnica para minha sobrinha mais velha, para me ajudarem em uma tela de minha primeira exposição na Galeria Leme. Todas somos muito criativas, menos a minha irmã do meio, que é especialista em tecnologia da informação e costuma brincar que a parte dela passou pra mim.

AZMINA: Você pinta meninas. Participa de alguma ONG ou apóia alguma ação para as meninas?

NINA: Para meninas especificamente não. Mas participo de tudo o que se refere à mulher, desde campanha para prevenção do câncer de mama até todas as de enfrentamento à violência contra a mulher. Faço como cidadã e artista.

AZMINA: E seu novo livro é todo feminista.

NINA: Meu livro traz o meu processo criativo e as minhas obras. Como só faço meninas…

* Você sabia que pode reproduzir tudo que AzMina faz gratuitamente no seu site, desde que dê os créditos? Saiba mais aqui.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!