logo AzMina

AzMina e PenhaS são indicados para o Troféu Mulher Imprensa

Agora a votação é por escolha popular. Vote n'AzMina!
por Equipe AzMina
4 de fevereiro de 2020
Carolina Oms mostra o PenhaS, aplicativo de enfrentamento à violência contra a mulher desenvolvido pela AzMina (Crédito: Nego Júnior)

2020 já começou com boas notícias para AzMina! Somos finalistas em duas categorias no Troféu Mulher Imprensa. O PenhaS, aplicativo de enfrentamento à violência contra mulher desenvolvido pela AzMina, foi indicado como Melhor Projeto sobre a Temática Feminina. Já nossa diretora Carolina Oms foi indicada na categoria Jornalista Empreendedora.

Ser indicada já é uma imensa honra para AzMina. Agora a votação é por escolha popular!

Clique aqui para votar no PenhaS

Clique aqui para votar na Carol

Não esqueça de depois confirmar sua votação no e-mail cadastrado!

O prêmio Troféu Mulher Imprensa conta com 18 categorias e tem como objetivo divulgar o trabalho das mulheres na comunicação em todo o Brasil e fomentar a pauta dos direitos das mulheres. 

Na categoria Melhor Projeto sobre a Temática Feminina, o PenhaS concorre com outros projetos importantes e admirados pela AzMina: ONU Mulheres, Think Olga, Blogueiras Negras, Nós, Mulheres da Periferia, Não Me Kahlo, Universa, Huffpost Brasil – Mulheres, Blogueiras Feministas e Agência Patrícia Galvão. 

Na categoria Jornalista Empreendedora, Carol aparece ao lado de grandes jornalistas: Cristina De Luca (The Shift), Kátia Brasil (Amazônia Real), Mara Luquet (MyNews) e Natalia Viana (Agência Pública). 

Em 2017, a Revista AzMina levou o Troféu Mulher Imprensa na categoria Melhor Projeto Jornalístico.

Conheça mais sobre o PenhaS

Informar, criar redes de proteção e agir. O enfrentamento à violência contra mulher d’AzMina passa por todos esses passos. Ele começa na conscientização dos nossos direitos e da violência sofrida, passa por formar e nutrir uma rede de apoio que posso ajudar essas mulheres quando elas precisarem e desemboca na ação que dará um basta no relacionamento abusivo.

O aplicativo PenhaS buscou reunir e facilitar todas as fases desse processo. Se informar sobre as delegacias da mulher, conversar de maneira anônima sobre as violências sofridas, produzir provas contra o agressor ou traçar sua rota até pontos de acolhimento e denúncia e tantas outras ações reunidas em uma só plataforma. 

Muitas mulheres só percebem que são vítimas de violência depois de se informarem sobre a Lei Maria da Penha ou após lerem os relatos de violências sofridas por outras mulheres. Com o app PenhaS, todas podem ter acesso a informação, ao diálogo, apoio e a uma rede de acolhimento. Tudo em um mesmo espaço.

Conheça mais sobre a Carol

Diretora executiva da Revista AzMina, Carolina é jornalista formada pela Universidade de São Paulo (USP) e atua com a união de comunicação e tecnologia para combate à violência contra a mulher. 

Em São Paulo e em Brasília, já cobriu economia, política e judiciário para o jornal Valor Econômico e para a Folha de S. Paulo. Após um período como repórter na Índia, decidiu dedicar sua carreira a uma causa que trouxesse impacto social e passou a dirigir a Revista AzMina em tempo integral. 

Desde 2018 é ela quem cuida d’AzMina e foi a principal responsável pela organização ter conseguido se estruturar financeiramente. O que isso quer dizer? Quer dizer que até 2018 a maior parte do que AzMina fazia dependia de trabalho voluntário – e por isso quase acabou.

Então Carol foi atrás de desenvolver um plano de negócios para a organização e de tornar seu trabalho sustentável. Em 2019, AzMina teve pela primeira vez funcionárias remuneradas se dedicando integralmente. Desde então a equipe só vem crescendo e também o número de projetos, com muitas novidades vindo por aí.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente, já ganhou prêmios e tem mais de quatro anos de impacto na vida de milhares de mulheres. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo sério e responsável que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e livre para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

Apoie o jornalismo em defesa da mulher