logo AzMina

#33DiasSemMachismo: campanha propõe acabar com o sexismo em pequenos gestos

Desde 1 de junho, grupo tem sugerido desafios diários simples para fazer parte da mudança

13310410_947126758738566_1117046168233307134_n

Diz-se que são necessários pelo menos 21 dias para se mudar um hábito por completo. Mas e se a gente tivesse 33, exatamente o número de acusados de estuprar a menina de 16 anos no Rio de Janeiro? Essa foi a ideia por trás da criação do movimento #33DiasSemMachismo, que busca engajar as pessoas a se desafiarem diariamente para acabarem com os hábitos machistas que antes praticavam.

Ao longo de 33 dias, desde o dia 1.º de junho, a campanha tem divulgado desafios diários na sua Fanpage, Medium, Twitter e Instagram para engajar as pessoas a superarem o machismo e a combatê-lo com consciência. A iniciativa sugere atitudes simples, como não interromper a fala de uma mulher ou compartilhar as tarefas domésticas do dia a dia na sua casa.

Ela propõe uma mudança de cultura através da prática da empatia e da reflexão sobre fatos simples do cotidiano, que muitas vezes custamos a reconhecer como hábitos machistas. “Acreditamos em uma transformação gradual e paulatina, que parte da reflexão e do reconhecimento de cada indivíduo como sujeito responsável pela mudança”, afirma Gabriele Garcia, uma das criadoras da campanha.

A iniciativa #33DiasSemMachismo é um primeiro convite pra quem pretende ser parte de uma transformação sociocultural que reconheça a importância de se lutar pela equidade de gênero e pelos direitos humanos, no Brasil e no mundo.

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA