logo AzMina

#33DiasSemMachismo: campanha propõe acabar com o sexismo em pequenos gestos

Desde 1 de junho, grupo tem sugerido desafios diários simples para fazer parte da mudança

13310410_947126758738566_1117046168233307134_n

Diz-se que são necessários pelo menos 21 dias para se mudar um hábito por completo. Mas e se a gente tivesse 33, exatamente o número de acusados de estuprar a menina de 16 anos no Rio de Janeiro? Essa foi a ideia por trás da criação do movimento #33DiasSemMachismo, que busca engajar as pessoas a se desafiarem diariamente para acabarem com os hábitos machistas que antes praticavam.

Ao longo de 33 dias, desde o dia 1.º de junho, a campanha tem divulgado desafios diários na sua Fanpage, Medium, Twitter e Instagram para engajar as pessoas a superarem o machismo e a combatê-lo com consciência. A iniciativa sugere atitudes simples, como não interromper a fala de uma mulher ou compartilhar as tarefas domésticas do dia a dia na sua casa.

Ela propõe uma mudança de cultura através da prática da empatia e da reflexão sobre fatos simples do cotidiano, que muitas vezes custamos a reconhecer como hábitos machistas. “Acreditamos em uma transformação gradual e paulatina, que parte da reflexão e do reconhecimento de cada indivíduo como sujeito responsável pela mudança”, afirma Gabriele Garcia, uma das criadoras da campanha.

A iniciativa #33DiasSemMachismo é um primeiro convite pra quem pretende ser parte de uma transformação sociocultural que reconheça a importância de se lutar pela equidade de gênero e pelos direitos humanos, no Brasil e no mundo.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!