logo AzMina

AzMina lança a campanha #MeuCabeloNão, junto com a OGX, para conscientizar sobre os limites entre paquera e assédio.

Nunca se falou tanto sobre os limites entre paquera e assédio, mas ao mesmo tempo tem muita gente confusa sobre o que pode e o que não pode na hora do flerte. Em 2019, AzMina se uniu à OGX, marca de haircare, em uma campanha sobre respeito e sororidade no meio do Carnaval de São Paulo.

Para conscientizar o público sobre a importância do tema, além de publicações nas redes sociais, a AzMina organizou uma mesa redonda com Juliana Luna, mulher negra, modelo e influencer de feminismo, beleza e bem-estar e Carolina Oms, mulher branca, jornalista, ativista feminista e diretora da Revista AzMina para discutir as definições de assédio e como lidar com ele. 

A campanha se estendeu para ruas na festa paulistana: foram distribuídas flash tattoos e ecoglitter pelos bloquinhos de rua, para relembrar que o assédio não pode estragar a folia das mulheres. 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!