logo AzMina

AzMina, em parceira com o Artigo 19 e o Gênero e Número, realizou uma atualização do Mapa do Aborto Legal durante a pandemia

Por saber que em tempos de crise política, social e econômica os direitos das mulheres são sempre ameaçados, AzMina se reuniu com a Artigo 19 e a Gênero e Número para fazer um levantamento de como estava o serviço de aborto legal no Sistema Único de Saúde (SUS) em 2020.

A lei no Brasil garante que a interrupção da gestação é permitida em 3 casos: para vítimas de violência sexual, em casos de anencefalia do feto e quando há risco à vida da gestante. Porém, na pandemia, só 55% dos hospitais que faziam aborto legal seguiram atendendo as mulheres. Esse foi o número encontrado após o mapeamento dos hospitais que, durante a pandemia, deixaram de realizar o aborto legal, segundo o Mapa do Aborto Legal.  

Depois dessa reportagem sobre indisponibilidade de 45% de serviços de aborto legal, um requerimento cobrou o Ministério da Saúde sobre políticas de saúde sexual e reprodutiva para mulheres durante a pandemia e usou os dados desse mapeamento como base de argumentação. E, em seguida, uma nota técnica do Ministério da Saúde foi lançada para ressaltar que deve ser garantido o acesso às mulheres ao “aborto legal” e a métodos contraceptivos durante a pandemia.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!