logo AzMina

O que será que as americanas acham da “mulata Globeleza”, a icônica mulher negra que desde o início dos anos 90 dançava seminua em qualquer intervalo da programação da TV Globo? Nana Queiroz foi às ruas de New Orleans perguntar. A surpresa das mulheres de lá viralizou e deu corpo à discussão sobre a hiperssexualização da mulher negra, uma das pautas fundamentais do movimento negro. No ano seguinte, a Globeleza voltou, mas desta vez vestida, acompanhada de uma trupe de dançarinos e apresentando, além do samba, diversos ritmos que caracterizam a diversidade do Carnaval brasileiro.  

Nós, mulheres negras, queremos o fim da Globeleza

Quando criança, eu sonhava em ser Globeleza

Globeleza 2017, uma nova perspectiva sobre o Carnaval – e não só para nós, negras

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA