logo AzMina

Política de correção

A Revista AzMina presa pela transparência, precisão e veracidade das informações publicadas em suas matérias. Trabalhamos com fontes qualificadas e checagem de todo conteúdo. Além disso, todas as matérias passam por duas editoras.

Para reportar um erro, clique aqui.

Caso algum erro venha a ser publicado, ele será corrigido de maneira ágil e transparente. Se percebermos internamente ou recebermos a notificação de conteúdo errado, nossas editoras vão verificar a informação e, se for confirmado o erro, ele será corrigido e uma errata será adicionada à matéria, informando aos leitores do erro e da alteração, bem como do momento em que ela for feita.

Para erros graves, que afetem o assunto central da matéria, a errata ficará no início do texto. Já para erros menores, que não estejam ligados ao conteúdo central da reportagem, a nota de errata ficará no final do texto. Em casos mais graves, a reportagem será republicada com notificação do erro, tanto em nosso site como em redes sociais. 

A gravidade dos erros será avaliada caso a caso pela nossa equipe e conselho editorial, composto por apoiadores d’AzMina (faça parte aqui). 

Todos os conteúdos corrigidos ficarão reunidos na nossa página de erratas. 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA