logo AzMina

Política de correção

A Revista AzMina presa pela transparência, precisão e veracidade das informações publicadas em suas matérias. Trabalhamos com fontes qualificadas e checagem de todo conteúdo. Além disso, todas as matérias passam por duas editoras.

Para reportar um erro, clique aqui.

Caso algum erro venha a ser publicado, ele será corrigido de maneira ágil e transparente. Se percebermos internamente ou recebermos a notificação de conteúdo errado, nossas editoras vão verificar a informação e, se for confirmado o erro, ele será corrigido e uma errata será adicionada à matéria, informando aos leitores do erro e da alteração, bem como do momento em que ela for feita.

Para erros graves, que afetem o assunto central da matéria, a errata ficará no início do texto. Já para erros menores, que não estejam ligados ao conteúdo central da reportagem, a nota de errata ficará no final do texto. Em casos mais graves, a reportagem será republicada com notificação do erro, tanto em nosso site como em redes sociais. 

A gravidade dos erros será avaliada caso a caso pela nossa equipe e conselho editorial, composto por apoiadores d’AzMina (faça parte aqui). 

Todos os conteúdos corrigidos ficarão reunidos na nossa página de erratas. 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!