logo AzMina

Online, ansiosa e deprimida: como equilibrar saúde mental e redes sociais?

Cancelar todos os aplicativos é um dos conselhos de quem ajudou a criar a realidade virtual, mas resolve?

O despertador toca e você, ainda sonolenta, estica a mão em direção ao celular. Os aplicativos mostram o vizinho de cima correndo dez quilômetros, as coisas no mercado aumentando de novo, o trânsito caótico e o tio do pavê lançando uma fake news no grupo da família. Mais uma. Em cinco minutos online, seu status muda de “descansada após uma noite de sono” para: “ansiosa, angustiada e deprimida”. E não é só você, tem muita gente nessa. Por isso, a pedido das nossas apoiadoras, nós fomos investigar: é possível manter a saúde mental em meio a tanta informação e redes sociais? 

Para responder a essa pergunta, a gente conversou com a youtuber Beka Moreno, que passou a ter insônia e ansiedade pelo uso excessivo de redes sociais . Como ela trabalha com a internet, ela precisou encontrar uma forma de se manter conectada, sem perder a saúde mental a cada clique.  E ouvimos também  a pós-doutora em psiquiatria, Telma Pantano, para entender como a gente pode se manter sã sem se alienar, numa era em que a nossa atenção é cada vez mais disputada pelas empresas de tecnologia.   Vem ouvir o que elas têm a dizer no vídeo dessa semana do “Mas vocês veem gênero em tudo”. Assista! 

Dê o play que a gente te conta tudo! 

Leia mais: As ofensas a jornalistas negras e indígenas no Twitter (azmina.com.br) 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA