logo AzMina

No Carnaval, na cama e nas ruas, “deixa ela tocar em paz”

Se, antes, as músicas de carnaval eram predominantemente machistas ou racistas, agora, as mulheres ocupam esses espaços com marchinhas feministas e que lutam pela igualdade de gênero.

Quando, em 1889, Chiquinha Gonzaga compôs a primeira marchinha para o carnaval, o carnaval, a músicas e as ruas não eram ‘lugar de mulher’. Pioneira em uma época em que a presença de mulheres no mundo das artes era vista com preconceito, Chiquinha pagou um preço alto por nunca abandonar seus sonhos .

Ela foi compositora, pianista e maestrina e responsável por mais de duas mil canções populares. Entre elas, está a primeira marchinha composta para o carnaval: “Ô abre alas”, que hoje faz parte do imaginário brasileiro.

“Ela sempre desafiou a ‘moral e os bons costumes’ de seu tempo. Teve três casamentos, foi julgada pelos divórcios e por não ter tido condições de ficar com todos os seus filhos. Trabalhou como musicista e isso, naquela época, significava ‘boemia e vadiagem'”, resume Luísa Toller, autora da marchinha “Chiquinha Toca Uma” e colunista d’AzMina.

Embora seja considerada uma das festas mais democráticas do país, o protagonismo do carnaval quase sempre foi restrito aos homens. Às mulheres, especialmente às mulheres negras, era legado o papel da “musa”, objetificando-as. O reconhecimento a compositoras, organizadoras de blocos, donas de escola de samba e musicistas ainda é algo raro de se ver no Carnaval, mas esse cenário vem mudando.

No ano passado, a Globeleza apareceu na vinheta da TV Globo vestida com roupas típicas da cultura brasileira e representando os diversos ritmos do carnaval no país. A mudança veio depois de muita luta e da campanha “Nós, mulheres negras, queremos o fim da Globeleza”, apoiada pela Revista AzMina.

Se, antes, as músicas de carnaval eram predominantemente machistas ou racistas, agora, as mulheres ocupam esses espaços com marchinhas feministas e que lutam pela igualdade de gênero.

Chocava toda a sociedade
Com sua agilidade
Em dedilhar com maestria
Sempre que tinha vontade

Ui Ui Ui Ui Ai!

Chiquinha Gozava e o povo apontava
Chiquinha Gozava e o povo apontava
“Onde já se viu prazeres como tais?”
Deixa a mulher tocar em PAZ!

Os versos da canção “Chiquinha Toca Uma” são um exemplo disso. Composta pela musicista Luísa Toller e interpretada pelo grupo Vozeiral, a marchinha recebeu dois prêmios no concurso do Bloco Nóis Trupica Mais Não Cai. A música foi 1º lugar no voto popular e 3º lugar pela escolha do júri.

“As mulheres têm questionado o espaço para elas no carnaval, criando novas possibilidades”, diz Luísa.

No ano passado, Luísa levou três prêmios com a também feminista marchinha “Mulheres em Marcha”, que abordava trabalho doméstico, igualdade salarial, aborto e cultura do estupro.

O vozeiral é composto por: Val kimachi, Naima kimachi, Rita Maria Brandão, Marina Teles, Ana Luiza Caetano, Amabile Barel, Raíça augusto, Daniela Alarcon e Luisa Toller.

“Em vários lugares do Brasil, já existem blocos organizados por mulheres com intuito de formar mais ritmistas, pesquisar repertório composto por mulheres, falar sobre a questão do assédio e sobre homossexualidade. Os passos são de formiguinha, mas o carnaval é uma ótima chance de ocuparmos as ruas. E, daí, representatividade é tudo! Quanto mais nos vemos, mais nos sentimos encorajadas. No concurso do ano passado, eu era a única mulher compositora para as 12 marchinhas inscritas. Neste ano, foram duas. Quem sabe, no futuro, teremos muitas compositoras concorrendo?”, torce Luísa.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!