logo AzMina

Marco temporal, demarcação de terras e mulheres indígenas

Como a garantia do território é fundamental para que as mulheres indígenas travem mais batalhas pela conquista de seus direitos

A tese do marco temporal entrou na pauta do Supremo Tribunal Federal e jogou mais luz à batalha da população indígena pelo reconhecimento de suas terras. Há mais de 300 demarcações aguardando essa deliberação, que irá impactar futuramente outros territórios indígenas.

Mais de 6 mil indígenas, de mais de 170 etnias, foram à Brasília para pressionar os ministros do STF. E as lideranças femininas estão na linha de frente dessas manifestações, pois sabem que sofrerão mais com a perda de seus territórios. Isso porque a terra para as indígenas é mais do que um espaço físico, ela compreende toda a existência dessas mulheres e a de seus filhos.

Só que a demanda pela terra é apenas uma das reivindicações dessas mulheres. Há muitas outras, como as denúncias contra violência doméstica, a preservação da cultura e dos costumes ancestrais e a questão climática. Demandas, que muitas vezes, não encontram respaldo nas próprias aldeias.

No vídeo desta semana do programa “Mas vocês vêem gênero em tudo?”, no YouTube da AzMina, explicamos como a vida da mulher indígena é atravessada por todos esses pontos e o quanto a sociedade brasileira ainda não está atenta às demandas específicas dessa população. Assista! 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!