logo AzMina

Já pensou em tomar remédio para prevenir AIDS?

Entenda como o medicamento que cria um escudo contra o HIV funciona e saiba porque o acesso por mulheres é restrito

A noite tá deliciosa, o papo incrivelmente bom e na hora que vocês empurram a porta do motel, você percebe que ninguém lembrou da camisinha. Você sabe que não deveria, você sabe que não é o ideal, mas você sabe, também, que tesão não tem mais volta. Para tirar a culpa, você promete mentalmente que só vai ser dessa vez. No dia seguinte bate a bad. Sexo sem segurança não rola. HIV, sífilis, hepatite, HPV…. Sem falar em gravidez indesejada. É nóia garantida para os próximos meses. Se você se reconhece nessa história, bate aqui, porque nós também nos reconhecemos.

Ninguém nega que camisinha é essencial, mas falar em sexo seguro vai muito além disso. Tem a ver com entender os riscos e usar uma das muitas ferramentas que existem pra prevenir as Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) e gravidez. Inclusive, Sabia que existe uma medicação que protege o nosso corpo contra o HIV? É a Profilaxia Pré-Exposição. A gente te explica tudo sobre ela na estreia do “Exaustas e com Tesão”. Assista!

As infectologistas Simone de Barros e Eduarda Prestes conversam com nossa diretora Helena Bertho sobre o remédio e como ele funciona. Elas explicam porque as mulheres, principalmente as cisgênero, não são contempladas no público alvo a quem a medicação é fornecida no SUS. E Nichole Oliveira, usuária da PREP, conta como é sua experiência com as pílulas.
Não sabia da PREP? Quer saber mais e entender se pode usar? Dá play no vídeo!


Leia mais: Enquanto sexo for “coisa de homem” não vamos acabar com a AIDS, alertam especialistas

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA