logo AzMina

É seu, governador, o olho cego da estudante ferida na manifestação

Quando a polícia é chamada para reprimir manifestações, a mulher é mais uma vez expulsa do espaço público.
deborah
Estudante foi ferida durante protesto contra o impeachment, no dia 31 de agosto.

“Há cerca de duas horas, a estudante Deborah Fabri publicou status no Facebook dizendo que perdeu a visão esquerda na manifestação de ontem contra o impeachment. Estilhaços de bomba atingiram seu olho.

Deborah, eu sinto muito. Quando a polícia é chamada para reprimir manifestações, a mulher é mais uma vez expulsa do espaço público. Se pra nós a rua já é perigosa, o medo aumenta na presença da violência policial. Não por sermos, em média, mais fracas.

O que aconteceu com Deborah (estilhaço no olho) não escolhe gênero, e a força física nada pode contra balas de borracha, gás lacrimogêneo e, sobretudo, com o fato de que o Estado detém o monopólio da violência. O que ocorre é que o medo é nosso companheiro. Nossos amigos nos dizem pra não ir às ruas, ou pra tomar cuidado. Eles dizem isso uns aos outros, mas mulheres ouvem mais. Nós aprendemos a ter medo e fugir, enquanto as mesmas situações levam os homens ao enfrentamento.

Portanto, Governador Geraldo Alckmin, essa fatura é sua. Você é o comandante maior da PM de São Paulo. E seu o ônus de afastar ainda mais as mulheres do espaço público na capital paulista. Você, que sabidamente deseja sentar-se na cadeira do golpista Temer, e que ardilosamente tem se mantido calado enquanto a Lava-Jato e a crise politica derrubam um a um seus oponentes. Você que, por milagre ou por interesse, é poupado pela imprensa quando o assunto é crise hídrica, cartéis do metrô, violência policial. É seu, Geraldo, o olho cego de Deborah Fabri.

Às mulheres que fazem do luto a luta, lembrem-se. As armas dessa polícia covarde não são mais ou menos perigosas por causa do que a gente tem no meio das pernas. Que a gente possa escolher lutar ou calar a partir do coração.

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!