logo AzMina

Culpa e arrependimento: quantos sentimentos atravessam o seu jeito de comer?

AzMina te ajuda a identificar cinco sinais de que a sua relação com a comida não é boa - e isso não tem a ver com a balança

Pensar nos nutrientes na hora de montar um prato de comida é uma preocupação legítima. Mas quando essa busca excessiva pela saúde passa a revelar uma relação conturbada com a comida? Quando a tentativa de alcançar um bem-estar contínuo começa a provocar justamente o contrário?

AzMina e a  psicóloga especialista em comportamento alimentar, Vanessa Tomasini, trouxeram esse assunto para mesa e listaram cinco sinais de que a sua relação com a comida não é boa – e isso não tem a ver com a balança. A ideia é te fazer pensar que uma relação de paz com a comida não tem a ver só com eliminar os hábitos ruins, mas repensar aqueles que são ‘vendidos’ para gente como bons. 

Depois de assistir a esse vídeo no canal d’AzMina no Youtube, você vai perceber como o “nutricionismo” interfere nas suas decisões e como ele pode transformar a hora de comer em algo mecânico e sem prazer. Você também vai entender como a “mentalidade da dieta” te faz sentir culpa e arrependimento por comer certas coisas, mesmo que você nunca tenha feito restrições alimentares. 

E talvez fique chocada também quando descobrir como aquele suquinho detox pode revelar uma desconfiança sua em relação a essa maravilhosidade que é o seu corpinho. Assista! E se inscreva no canal! Rola vídeos novos toda terça-feira e quinta quando dá! Você vai saber mais sobre assuntos como maternidade, autoestima, saúde e muito mais.

Leia mais: Com Covid-19 e anorexia: pandemia agravou casos de transtornos alimentares

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA