logo AzMina

Setembro tem “Menina Não Pode” n’AzMina

Em suas tiras, Lívia Carvalho questiona as regras sociais mais absurdas para mulheres.

[fusion_text]Menina não pode

[dropcap color=”” boxed=”no” boxed_radius=”0″ class=”” id=””]C[/dropcap]om essa tirinha, Lívia Carvalho nos mandou uma reflexão, que compartilhamos com vocês:

“Arrancam-lhes os dentes, em algumas tribos esquimós; o sexo e a memória, em culturas contemporâneas ocidentais (até que nem sequer se lembrem que não precisam do homem pra sobreviver na selva). Assim escravizamos nossos cães. Também da mulher tiramos a memória de si mesma; mentimos de maneira organizada sobre sua origem e sua natureza – e ainda ordenamos que acreditem! Também da mulher tiramos o sexo; em algumas sociedades africanas, de forma concreta e literal; em outras, auto-proclamadas sofisticadas, no campo simbólico: não pode gozar. Também da mulher tiramos os dentes, o direito sagrado à violência: uma mulher brava que ladra, não é uma mulher boa. Aprenderá seu lugar, se resolver ladrar.”[/fusion_text]

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA