logo AzMina

Setembro tem “Menina Não Pode” n’AzMina

Em suas tiras, Lívia Carvalho questiona as regras sociais mais absurdas para mulheres.

[fusion_text]Menina não pode

[dropcap color=”” boxed=”no” boxed_radius=”0″ class=”” id=””]C[/dropcap]om essa tirinha, Lívia Carvalho nos mandou uma reflexão, que compartilhamos com vocês:

“Arrancam-lhes os dentes, em algumas tribos esquimós; o sexo e a memória, em culturas contemporâneas ocidentais (até que nem sequer se lembrem que não precisam do homem pra sobreviver na selva). Assim escravizamos nossos cães. Também da mulher tiramos a memória de si mesma; mentimos de maneira organizada sobre sua origem e sua natureza – e ainda ordenamos que acreditem! Também da mulher tiramos o sexo; em algumas sociedades africanas, de forma concreta e literal; em outras, auto-proclamadas sofisticadas, no campo simbólico: não pode gozar. Também da mulher tiramos os dentes, o direito sagrado à violência: uma mulher brava que ladra, não é uma mulher boa. Aprenderá seu lugar, se resolver ladrar.”[/fusion_text]

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!