azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

Divã d’AzMina

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

‘Quando chegava a hora da penetração, aquilo sempre me destruía’

'Sempre senti dor e mal estar na penetração. Procurei respostas em muitos lugares. Acreditava que havia algo de errado comigo. Hoje, aos 32 anos, vejo a coisa de outra forma'

‘Ouvi um agente de modelos dizer que eu era bonita, mas tinha um problema: era negra’

'Saí de lá aos prantos e tentando entender aquela lógica que limitava as oportunidades de trabalho para mulheres negras no mercado de moda e beleza a um número muito baixo e desequilibrado'

“O clássico ‘é que você me deixa louco’ não cola mais comigo”

Relacionamento abusivo não é só um homem que desce um tapa na sua cara e o sexo por obrigação não é apenas quando alguém arranca sua roupa e estupra você

“Por que precisamos falar de assédio até a exaustão?” – #UmaMinaAjudaAOutra

Quando ouço alguém dizendo que o mundo tá chato, que feminismo é mimimi, tenho certeza de que ainda estamos discutindo pouco o assunto

“Num baile, fomos cercadas. E, por medo e culpa, nos calamos” – #UmaMinaAjudaAOutra

Foi uma covardia, mas na época achava que havia permitido aquela situação. Hoje sei muito bem quem eram os vilões e quem era a vítima

“A moça estava caída no banheiro. Entrei no meio e falei para eles saírem” – #UmaMinaAjudaAOutra

Eu gosto de carnaval, mas parei de curtir por causa da chatice que são os homens achando que você tem que beijar todo mundo

“Demos uma ‘surra’ nos caras que tentaram nos ridicularizar no Carnaval” – #UmaMinaAjudaAOutra

Eu e minhas amigas, juntas, reagimos a um grupo de homens que riu do nosso cabelo black power. Pude festejar e me sentir amparada.

“Viajei sozinha pela África e senti preconceito por não trazer um homem”

Participando de projetos sociais no Quênia, na Etiópia e em Moçambique, fui várias vezes pressionada a me explicar por que não estava acompanhada

“O amor romântico nos aprisiona – e mesmo sendo lésbica eu não consigo fugir”

É absurdamente perverso nos fazer acreditar que é o amor alheio, masculino ou não, que legitima nossa humanidade.

“Confesso: sou feminista mas não consigo amar meu corpo”

Apesar de tudo o que sei sobre os padrões de beleza que nos torturam, não consigo escapar da armadilha de querer me encaixar neles.
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE