logo AzMina

Com truculência, PM ataca 3 mil mulheres manifestantes em Brasília – veja imagens

Repórter fotográfica da Revista AzMina foi uma delas

Fotos: Paula Fróes

Desta vez a reportagem da Revista AzMina sentiu na pele o resultado da truculência da Polícia Militar. Nossa repórter fotográfica, Paula Fróes, foi atacada por um PM em Brasília e registrou nesta imagem o ocorrido.

IMG_1756

Paula fotografava o ataque da PM contra um grupo de 3 mil mulheres que manifestavam pacificamente contra o impeachment, devidamente identificada como imprensa, quando o PM espirrou spray de pimenta direto em seu rosto e sua câmera, fazendo com que ela perdesse o ar e passasse mal. Agora, Paula está bem, mas, diante de tanta agressividade, chorava ao falar com a redação. As manifestantes, mulheres que estavam na capital para participar da 4ª Conferência Nacional de Políticas para as Mulheres, foram agredidas com puxões de cabelo, ofensas, bombas de gás lacrimogênio e sprays de pimenta.

Do lado do muro da Esplanada dos Ministérios destinado a pessoas contra o impeachment, há centenas de policiais, enquanto no outro lado não há nem a metade. Quatro jovens anti-impeachment que se manifestavam de forma pacífica também foram revistados sem explicações, um deles era mulher.

Abaixo estão as imagens que a violência policial tentou impedir Paula de registrar, publicamos essa galeria como um lembrete da coragem feminina. Nós, d’AzMina, protestamos contra o ataque contra Paula e essas 3 mil manifestantes e pedimos punição dos responsáveis. Chega de ataque a jornalistas! Chega de violência contra mulheres que ousam se envolver na vida política!

IMG_1754

IMG_1768

IMG_1769

IMG_1770

IMG_1740

IMG_1741

IMG_1744

IMG_1745

IMG_1747

IMG_1750

IMG_1752

IMG_1762

IMG_1764

IMG_1765

 

 

Quem está na cola do machismo mesmo?

Desde 2015, AzMina está do lado das mulheres e da luta pelos nossos direitos. E, ao nosso lado, nós tivemos muitas leitoras e leitores, que financiam o nosso trabalho e acreditam que jornalismo feminista deve chegar a todos. Graças aos nossos apoiadores, impactamos a vida de milhares de mulheres e produzimos cada vez mais conteúdos e projetos. Nossas reportagens, vídeos, podcasts, campanhas de conscientização e projetos como o PenhaS e o Elas no Congresso são totalmente gratuitos.

Se você valoriza tudo isso, considere fazer uma doação. Junte-se às mais de 500 pessoas que tornam o nosso trabalho possível. A maior parte dos nossos apoiadores contribui com R$ 20 mensais e cada real é importante.

O jornalismo feminista independente é muito essencial à Democracia sempre. Mas no Brasil de 2021, não podemos descuidar nem um dia. Para isso, AzMina depende de você.

APOIE A CONTINUIDADE DESSE TRABALHO HOJE!