logo AzMina

Marco temporal afeta lutas de mulheres indígenas

Como a garantia do território é fundamental para que as mulheres indígenas travem mais batalhas pela conquista de seus direitos

A tese do marco temporal entrou na pauta do Supremo Tribunal Federal e jogou mais luz à batalha da população indígena pelo reconhecimento de suas terras. Há mais de 300 demarcações aguardando essa deliberação, que irá impactar futuramente outros territórios indígenas.

Mais de 6 mil indígenas, de mais de 170 etnias, foram à Brasília para pressionar os ministros do STF. E as lideranças femininas estão na linha de frente dessas manifestações, pois sabem que sofrerão mais com a perda de seus territórios. Isso porque a terra para as indígenas é mais do que um espaço físico, ela compreende toda a existência dessas mulheres e a de seus filhos.

Só que a demanda pela terra é apenas uma das reivindicações dessas mulheres. Há muitas outras, como as denúncias contra violência doméstica, a preservação da cultura e dos costumes ancestrais e a questão climática. Demandas, que muitas vezes, não encontram respaldo nas próprias aldeias.

No vídeo desta semana do programa “Mas vocês vêem gênero em tudo?”, no YouTube da AzMina, explicamos como a vida da mulher indígena é atravessada por todos esses pontos e o quanto a sociedade brasileira ainda não está atenta às demandas específicas dessa população. Assista! 

Somos movidas por uma comunidade forte. Falta você!

AzMina ajudou a revolucionar a cobertura de gênero no jornalismo brasileiro nos últimos 6 anos. Com informação e dados, discutimos temas tabus, fazemos reportagens investigativas e criamos uma comunidade forte de pessoas comprometidas com os direitos das mulheres. Muita coisa mudou nesse meio tempo (feminicídio deixou de ser “crime passional” e “feminista” xingamento), mas as violências contra as mulheres e os retrocessos aos nossos direitos continuam aí.

Nosso trabalho é totalmente independente e gratuito, por isso precisamos do apoio de quem acredita nele. Não importa o valor, faça uma doação hoje e ajude AzMina a continuar produzindo conteúdo feminista que faz a diferença na vida das pessoas. O momento é difícil para o Brasil, mas sem a nossa cobertura, o cenário fica ainda mais tenebroso.

FAÇA PARTE AGORA