azm_logo-educacional

AzMina agora conta também com cursos, palestras, workshops e oficinas

Conheça aqui nossas propostas educativas

Romance de folhetim

PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Pequenas esposas: último

Maria Vicentina ainda estava acostumada a acordar no horário das galinhas, por isso levantava de pés macios e ficava no escuro, esperando amanhecer e chorando baixinho. Mas chorando de alívio.

Pequenas esposas: penúltimo

A decepção de Matias estremeceu o chão. Não soube a quem mandar impedir aquela atrocidade, aquele saque sentimental. Geraldina era quem lhe amparava o corpo. Em rara lucidez, ia dizendo: deixa ir

Pequenas esposas: vigésimo primeiro

A proposta doeu no estômago de Maria, não pensou nela: tinha o receio de concordar. Ficou balbuciando desculpas, mas não fazia mal, porque Marcela era fluente na linguagem do medo.

Pequenas esposas: vigésimo

Antes de morrer, a mãe costumava cuspir indecências e perguntou por que, de tanta coisa, Marcela tinha escolhido ser puta. Ela tratou de responder, com toda a franqueza: é porque aprendi cedo

Pequenas esposas: décimo nono

Não dá para criar amor nos frangos, Tião havia consolado, rasgando a pele fina do gogó. Maria Vicentina pedia desculpas. Sabia que também não dava para criar amor em gente.

Pequenas esposas: décimo oitavo

Estava certa de que os ferimentos traziam por si só a resposta que Beatrice esperava: não dava para trabalhar com a cara em frangalhos. Tá entendendo? Não dava para chupar com a boca arrebentada.

Pequenas esposas: décimo sétimo

Foi vendo os piores cenários. Maria caída no cascalho, sangrando a mordida de bicho. O corpo seco com veneno de jararaca. Pior: Maria sumindo longe, na boleia de caminhão desconhecido, nas coxas a mão peluda de outro.

Pequenas esposas: décimo sexto

Era a mesma cara que Matias fazia quando chegava ansioso pela cama, o mesmo tipo dos peões da fazenda, gorgolejando indecências. Ela já sabia o que significava quando os rostos de todos os homens pareciam um só.

Pequenas esposas: décimo quinto

No ponto de trabalho, com as colegas, não comentava. Elas ardiam de inveja porque sabiam, no ápice das fofocas grosseiras, que a menina tinha arranjado um peixão. Bonito, rico, deputado. Milagre assim, nem em filme.

Pequenas esposas: décimo quarto

O gosto de álcool incendiando a língua. Arthur gostou da sensação, a moleza indistinta, embora não conseguisse entender o motivo pelo qual estava sendo premiado e não castigado
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE