Fundado em 2011 por três ciganas viúvas, o acampamento enfrentou machismo, racismo e o desamparo