logo AzMina

No Carnaval, na cama e nas ruas, “deixa ela tocar em paz”

Se, antes, as músicas de carnaval eram predominantemente machistas ou racistas, agora, as mulheres ocupam esses espaços com marchinhas feministas e que lutam pela igualdade de gênero.
por Carolina Oms
1 de fevereiro de 2018

Quando, em 1889, Chiquinha Gonzaga compôs a primeira marchinha para o carnaval, o carnaval, a músicas e as ruas não eram ‘lugar de mulher’. Pioneira em uma época em que a presença de mulheres no mundo das artes era vista com preconceito, Chiquinha pagou um preço alto por nunca abandonar seus sonhos .

Ela foi compositora, pianista e maestrina e responsável por mais de duas mil canções populares. Entre elas, está a primeira marchinha composta para o carnaval: “Ô abre alas”, que hoje faz parte do imaginário brasileiro.

“Ela sempre desafiou a ‘moral e os bons costumes’ de seu tempo. Teve três casamentos, foi julgada pelos divórcios e por não ter tido condições de ficar com todos os seus filhos. Trabalhou como musicista e isso, naquela época, significava ‘boemia e vadiagem'”, resume Luísa Toller, autora da marchinha “Chiquinha Toca Uma” e colunista d’AzMina.

Embora seja considerada uma das festas mais democráticas do país, o protagonismo do carnaval quase sempre foi restrito aos homens. Às mulheres, especialmente às mulheres negras, era legado o papel da “musa”, objetificando-as. O reconhecimento a compositoras, organizadoras de blocos, donas de escola de samba e musicistas ainda é algo raro de se ver no Carnaval, mas esse cenário vem mudando.

No ano passado, a Globeleza apareceu na vinheta da TV Globo vestida com roupas típicas da cultura brasileira e representando os diversos ritmos do carnaval no país. A mudança veio depois de muita luta e da campanha “Nós, mulheres negras, queremos o fim da Globeleza”, apoiada pela Revista AzMina.

Se, antes, as músicas de carnaval eram predominantemente machistas ou racistas, agora, as mulheres ocupam esses espaços com marchinhas feministas e que lutam pela igualdade de gênero.

Chocava toda a sociedade
Com sua agilidade
Em dedilhar com maestria
Sempre que tinha vontade

Ui Ui Ui Ui Ai!

Chiquinha Gozava e o povo apontava
Chiquinha Gozava e o povo apontava
“Onde já se viu prazeres como tais?”
Deixa a mulher tocar em PAZ!

Os versos da canção “Chiquinha Toca Uma” são um exemplo disso. Composta pela musicista Luísa Toller e interpretada pelo grupo Vozeiral, a marchinha recebeu dois prêmios no concurso do Bloco Nóis Trupica Mais Não Cai. A música foi 1º lugar no voto popular e 3º lugar pela escolha do júri.

“As mulheres têm questionado o espaço para elas no carnaval, criando novas possibilidades”, diz Luísa.

No ano passado, Luísa levou três prêmios com a também feminista marchinha “Mulheres em Marcha”, que abordava trabalho doméstico, igualdade salarial, aborto e cultura do estupro.

O vozeiral é composto por: Val kimachi, Naima kimachi, Rita Maria Brandão, Marina Teles, Ana Luiza Caetano, Amabile Barel, Raíça augusto, Daniela Alarcon e Luisa Toller.

“Em vários lugares do Brasil, já existem blocos organizados por mulheres com intuito de formar mais ritmistas, pesquisar repertório composto por mulheres, falar sobre a questão do assédio e sobre homossexualidade. Os passos são de formiguinha, mas o carnaval é uma ótima chance de ocuparmos as ruas. E, daí, representatividade é tudo! Quanto mais nos vemos, mais nos sentimos encorajadas. No concurso do ano passado, eu era a única mulher compositora para as 12 marchinhas inscritas. Neste ano, foram duas. Quem sabe, no futuro, teremos muitas compositoras concorrendo?”, torce Luísa.

Apoie AzMina

A Revista AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito