logo AzMina

Moda que salva o mundo: looks e truques para ir trabalhar de bike sem precisar se trocar

A maioria das ciclistas não prioriza o look fitness. Mesmo que a pedalada seja uma atividade física, elas não querem perder o estilo ao se locomover, não abrem mão de vestidos e, às vezes, até usam salto
por Babi Bowie
20 de maio de 2016

Este mês comemoramos o “Dia De Bike ao Trabalho”, uma campanha que vai além de promover a ideia de ir ao trabalho de bicicleta em 1 a cada 365 dias: ela quer engajar as pessoas na prática cotidiana. E, como acreditamos que bicicleta é legal, saudável e sustentável, desta vez nosso editorial de moda será dedicado todinho a essa causa!

Além de ser perfeitamente possível e divertido ir de bike ao trabalho, fazer bem para nossa saúde e para toda a comunidade, descobrimos também um outro dado que serve de estímulo. A Comunidade Científica Americana acaba de criar um novo indicador para saber o quão ciclável é uma cidade: o número de mulheres que pedalam nas ruas.

Segundo o órgão, países que entenderam a importância em investir e estimular a segurança dos ciclistas já fazem seus planejamentos urbanos considerando a forma como as mulheres vêem o uso diário da bicicleta. Ou seja, quanto mais mulheres pedalando nas ruas, mais humanas e “amigas do ciclistas” são as cidades. E se você quiser forçar sua cidade a pensar esse aspecto da segurança pública com mais carinho, uma boa iniciativa é organizar grupos de mulheres para ir de bike ao trabalho, ir anotando as ameaças que vocês enfrentam e mandar bala na pressão social, com um abaixo assinado ou até um estudo colaborativo.

Para este editorial temático, também entrevistamosas minas das bikes. E, depois de escutar as bicicleteiras e pesquisar o que elas realmente usam para pedalar, propomos alguns looks acessíveis que você pode montar com as roupas que tem no seu guarda-roupa.

O que mais queríamos ouvir e concluímos com a entrevista é que a maioria não prioriza o look fitness. Mesmo que a pedalada seja uma atividade física, quem utiliza a bicicleta como meio de transporte não acredita que é necessário o combo tênis e a legging/short. E mais, não querem perder o estilo ao se locomover! A maioria não abre mão de vestidos ou saias e, às vezes, até usam salto!

Amanda Corradi, que é do BH em Ciclo (Associação de Ciclistas Urbanos de Belo Horizonte) e nossa modelo nesta edição, conta que existe um truque para impedir que saias leves levantem com o vento: “É só colocar uma moeda envolta na barra da saia e unir a parte da frente com a de trás no meio das pernas”. Ela disse também que, para as saias longas, um nó lateral ajuda a evitar o risco de a saia embolar na roda ou pedal.

E não tem problema se sua empresa não tiver chuveiro – você resolve tudo com uma necessaire na mesa do escritório. Tomando banho antes de sair de casa, uma caixinha de lencinhos umedecidos, uma toalhinha e um desodorante deixam você fresca e cheirosa para trabalhar após a pedalada. Vale até deixar a maquiagem e o perfume – se você for dessas – para depois da refrescada. O pó compacto quebra a oleosidade da pele pós exercício muito bem e pode ser complementado com um blush leve nas maçãs do rosto para não dar um visual muito chapado na pele. Um shampoo seco também pode ser um bom adendo à sua bolsinha da higiene se você suar muito pela cabeça.

 

 

[title size=”6″ content_align=”left” style_type=”default” sep_color=”” class=”” id=””]Expediente[/title][fusion_text]

Roupas e acessórios: Acervo Pessoal
Modelos: Luisa Camargos, Polly Lage e Amanda Corradi
Produção de moda e fotografia: Babi Bowie
Maquiagem: Bruna Gil
Agradecimentos: Marisa Camargos, Maria Célia Becattini, Gabriela Amaral, Ana Caroline Azevedo, Marina Magalhães e Daniel Parreira.

[/fusion_text]

 

Apoie AzMina

AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo da Revista AzMina. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina

AzMina é uma resposta feminista à desigualdade e ao preconceito