logo AzMina

Campanha pelo fim da Globeleza

O que será que as americanas acham da “mulata Globeleza”, a icônica mulher negra que desde o início dos anos 90 dançava seminua em qualquer intervalo da programação da TV Globo? Nana Queiroz foi às ruas de New Orleans perguntar. A surpresa das mulheres de lá viralizou e deu corpo à discussão sobre a hiperssexualização da mulher negra, uma das pautas fundamentais do movimento negro. No ano seguinte, a Globeleza voltou, mas desta vez vestida, acompanhada de uma trupe de dançarinos e apresentando, além do samba, diversos ritmos que caracterizam a diversidade do Carnaval brasileiro.  

Nós, mulheres negras, queremos o fim da Globeleza

Quando criança, eu sonhava em ser Globeleza

Globeleza 2017, uma nova perspectiva sobre o Carnaval – e não só para nós, negras

Apoie AzMina

AzMina alcança cada vez mais gente e já ganhou mais prêmios do que poderíamos sonhar em tão pouco tempo. A gente acredita que o acesso a  informação de qualidade muda o mundo. Por isso, nunca cobraremos pelo conteúdo da Revista AzMina. Mas o jornalismo investigativo que fazemos demanda tempo, dinheiro e trabalho duro – então você deve imaginar por que estamos pedindo sua ajuda.

Quando você apoia iniciativas como a nossa, você faz com que gente que não pode pagar pela informação continue tendo acesso a ela. Porque jornalismo independente não existe: ele depende das pessoas que acreditam na importância de uma imprensa plural e independente para um país mais justo e democrático.

Apoie AzMina